1. Os filhos de Israel tornaram a fazer o mal na presença do Senhor e ele os entregou nas mãos dos Filisteus durante quarenta anos.

2. Ora havia um homem de Saraa, da linhagem de Dan, chamado Manué, cuja mulher era estéril,

3. à qual apareceu o anjo do Senhor, e lhe disse: Tu és estéril e sem filhos, mas conceberás e darás à luz um filho.

4. Toma cuidado, não bebas vinho nem coisa que possa embriagar, nem comas coisa alguma impura,

5. porque conceberás e darás à luz um filho, cuja cabeça não será tocada por navalha, pois que ele será Nazareno de Deus, desde o ventre de sua mãe, e será o primeiro a livrar Israel das mãos dos Filisteus. (ver nota)

6. Ela indo ter com seu marido, disse-lhe: Veio ter comigo um homem de Deus, que tinha um rosto de anjo, em extremo terrível. Não lhe perguntei donde tinha vindo, nem ele me deu a conhecer o seu nome,

7. mas disse-me: Conceberás e darás à luz um filho; toma cuidado, não bebas vinho nem coisa que possa embriagar, e não comas coisa alguma impura, porque o menino será Nazareno de Deus, desde o ventre de sua mãe até ao dia da sua morte.

8. Então Manué fez oração ao Senhor, dizendo: Peço-te, Senhor, que o homem de Deus, que enviaste, venha outra vez, e nos ensine o que devemos fazer acerca do menino, que há-de nascer.

9. O Senhor ouviu a oração de Manué, e o anjo de Deus apareceu de novo à sua mulher, estando sentada no campo. Não estava com ela seu marido Manué. Ela, tendo visto o anjo,

10. imediatamente correu a dar a seu marido a notícia, dizendo: Eis que me apareceu o homem, que eu tinha visto antes.

11. Ele levantou-se, seguiu sua mulher, e, tendo chegado ao homem, disse-Ihe: És tu que falaste a esta mulher? Ele respondeu: Sou eu.

12. Manué disse-lhe: Quando se tiver cumprido a tua palavra, que queres tu que faça o menino? ou de que coisa se deverá ele abster?

13. O anjo do Senhor respondeu a Manué: Abstenha-se tua mulher de tudo o que eu lhe disse:

14. não coma nada do que nasce da vinha; não beba vinho, nem coisa que possa embriagar; não coma coisa alguma impura; observe e cumpra o que lhe ordenei.

15. Manué disse ao anjo do Senhor: Rogo-te que condescendas com minhas súplicas, e que te preparemos um cabrito.

16. O anjo respondeu-lhe: Ainda que me faças violência, não comerei do teu pão, mas, se queres fazer um holocausto, oferece-o ao Senhor. Manué, que não sabia que era o anjo do Senhor,

17. disse-lhe: Qual é o teu nome, para que, cumprida que seja a tua palavra, nos te honremos?

18. O anjo respondeu-lhe: Porque perguntas tu o meu nome, que é admirável (ou incompreensível)?

19. Tomou pois Manué o cabrito e as libações, e pô-lo sobre a pedra, oferecendo-o ao Senhor, que operou um prodígio, aos olhos de Manué e de sua mulher.

20. Quando a chama do altar subiu ao céu, subiu também o anjo do Senhor junto com a chama. À vista disto, Manué e sua mulher caíram com os rostos por terra,

21. e não lhes apareceu mais o anjo do Senhor. Manué compreendeu logo que era o anjo do Senhor,

22. e disse para sua mulher: Certamente morreremos, porque vimos Deus.

23. A mulher respondeu-lhe: Se o Senhor nos quisesse matar, não teria recebido de nossas mãos o holocausto e as libações, nem nos teria mostrado todas estas coisas, nem nos teria dito o que está para acontecer.

24. Ela deu à luz um filho e pôs-lhe o nome do Sansão. O menino cresceu, e o Senhor o abençoou.

25. E o espírito do Senhor começou a ser com ele no campo de Dan entre Saraa e Estaol.





O maldito “eu” o mantém apegado à Terra e o impede de voar para Jesus. São Padre Pio de Pietrelcina