1. O Senhor, pois, enviou Natan a Davide, e Natan, tendo chegado à sua presença, disse-lhe: Havia numa cidade (do teu reino) dois homens, um rico e outro pobre.

2. O rico tinha ovelhas e bois em grande número.

3. O pobre, porém, não tinha coisa alguma, senão uma ovelhinha, que comprara e criara, e que tinha crescido em sua casa juntamente com seus filhos, comendo do seu pão, bebendo do seu mesmo copo e dormindo no seu regaço; e ele queria-lhe com o se fosse uma sua filha.

4. Tendo chegado um hóspede a casa do rico, não querendo este tocar nas suas ovelhas nem nos seus bois, para dar um banquete ao hóspede, que lhe tinha chegado, tomou a ovelha do pobre e preparou-a para dar de comer ao homem que tinha vindo a sua casa.

5. Davide, sumamente indignado contra tal homem, disse a Natan: Viva o Senhor, um homem que tal fez é digno de morte.

6. Pagará o quádruplo da ovelha, por ter feito dela o que fez, e não ter poupado (o pobre).

7. Então Natan disse a Davide: Tu és esse homem. Eis o que diz o Senhor Deus de Israel: Eu te ungi rei sobre Israel, e te livrei da mão de Saul,

8. dei-te a casa do teu senhor, pus ao teu dispor as suas mulheres, a casa de Israel e de Judá; se isto é pouco, juntar-te-ei ainda coisas muito maiores.

9. Por que desprezaste, pois a palavra do Senhor, até cometeres o mal diante de meus olhos? Fizeste perecer à espada Urias Heteu, e tomaste para tua mulher a que era sua mulher, e mataste-lo com a espada dos filhos de Amon.

10. Por esta razão não se apartará jamais a espada da tua casa, porque me desprezaste, tomando a mulher de Urias Heteu, para ser tua mulher.

11. Eis pois o que diz o Senhor: Eu suscitarei da tua mesma casa o mal sobre ti, tomarei as tuas mulheres, à tua vista, e dá-las-ei a um teu próximo, que dormirá com as tuas mulheres à luz deste sol.

12. Tu procedeste ocultamente, mas eu farei estas coisas à vista de todo o Israel, à luz do sol.

13. Davide disse a Natan; Pequei contra o Senhor. Natan respondeu a Davide: Também o Senhor perdoou o teu pecado (por ver o teu arrependimento): não morrerás. (ver nota)

14. Todavia, visto que tu, pelo que fizeste, deste lugar a que os inimigos do Senhor blasfemem, morrerá irremissivelmente o filho, que te nasceu (do adultério).

15. E Natan voltou para sua casa. O Senhor feriu (de enfermidade) o menino, que a mulher de Urias tinha dado à luz a Davide, e ele adoeceu gravemente.

16. Davide fez oração ao Senhor pelo menino, jejuou rigorosamente e, retirando-se à parte, prostrou-se sobre a terra.

17. Os anciães da sua casa vieram para o abrigar a levantar-se do chão, mas ele não o quis fazer, nem comeu com eles.

18. Ao sétimo dia, morreu o menino, e os servos de Davide não ousaram dizer-lhe que o menino tinha morrido, porque diziam: Quando o menino ainda vivia, nós falávamos-lhe, e ele não queria ouvir-nos; quanto mais se afligirá ele, se lhe dissermos que o menino morreu?

19. Davide, porém, vendo os seus servos a falar em segredo, compreendeu que o menino tinha morrido e disse-lhes: Porventura morreu o menino? Eles responderam-lhe: Morreu.

20. Então Davide levantou-se do chão, lavou-se e ungiu-se, e, tendo mudado de roupa, entrou na casa do Senhor e o adorou (completamente resignado). (Depois) foi para sua casa e pediu que lhe pusessem de comer, e comeu.

21. Os seus servos disseram-lhe: Como fizeste assim? Tu jejuaste e choraste pelo menino, quando ele ainda vivia, e, agora que morreu, levantaste-te e comeste?

22. (Davide) respondeu: Eu jejuei e chorei pelo menino enquanto vivo, porque dizia: Quem sabe se talvez o Senhor terá pena de mim e fará viver o menino?

23. Mas agora que ele morreu, por que hei-de jejuar? Porventura posso eu fazê-lo ainda viver? Eu Irei para junto dele, mas ele não voltará mais para junto de mim.

24. Depois Davide consolou sua mulher Betsabé, foi dormir com ela, e ela gerou um filho, a que pôs o nome de Salomão. O Senhor o amou,

25. e enviou o profeta Natan, o qual deu ao menino o nome de Amável ao Senhor, porque o Senhor o amava.

26. Entretanto Joab continuava a combater contra Raba dos Amonitas, e tomou a cidade real.

27. e Joab enviou mensageiros a Davide, dizendo: Tenho combatido contra Raba, e a cidade das Águas está tomada.

28. Agora, junta o resto do povo, vem ao sítio da cidade e toma-a, para não suceder que, tendo eu destruído a cidade, se atribua ao meu nome a vitória.

29. Juntou Davide todo o povo, marchou contra Raba e, depois de ter combatido, a tomou.

30. Tirou da cabeça do rei dos Amonitas o seu diadema, que pesava um talento de ouro, enriquecido de pedras preciosíssimas, o qual foi posto na cabeça de Davide. E levou da cidade muitíssimos despojos.

31. Quanto aos seus moradores deportou-os, empregando-os em serrar, em a fiar ferros, em serviços com machados e em trabalhos em fornos de cozer tijolo. Assim fez a todas as cidades dos Amonitas. Em seguida, Davide voltou com todo o exército para Jerusalém.





“Não abandone sua alma à tentação, diz o Espírito Santo, já que a alegria do coração é a vida da alma e uma fonte inexaurível de santidade.” São Padre Pio de Pietrelcina