1. Depois destes acontecimentos, o rei Assuero exaltou Aman, filho de Amadati, que era da linhagem de Agag, e pôs o seu assento sobre todos os grandes que o cercavam.

2. Todos os servos do rei, que estavam à porta do palácio dobravam os joelhos, prostravam-se diante de Aman, porque assim lhes tinha mandado o imperador; só Mardoqueu não dobrava os joelhos nem se prostrava diante dele, (por considerar isto um acto de idolatria).

3. Os servos do rei, que guardavam as portas do palácio, disseram-lhe: Por que não cumpres as ordens do rei como os outros?

4. Depois de lhe dizerem isto muitas vezes, vendo que não os queria ouvir, referiram-no a Aman, querendo saber se ele persistiria nesta resolução, porque lhes tinham dito que era judeu.

5. Aman, ao ver que Mardoqueu não dobrava os joelhos nem se prostrava diante dele, concebeu grande ira;

6. porém parecia-lhe nada vingar-se só em Mardoqueu, porque tinha ouvido dizer que era judeu de nação, e quis antes acabar com todo o povo de (que era filho) Mardoqueu, com todos os judeus que viviam no reino de Assuero.

7. No ano duodécimo do reinado de Assuero, no primeiro mês, chamado Nisan, foi diante de Anan lançada na urna a sorte, que se chama Pur, para se saber em que dia e em que mês devia ser trucidada a nação dos Judeus, e caiu a sorte no duodécimo mês, chamado Adar.

8. Então Aman disse ao rei Assuero: Há um povo disperso por todas as províncias do teu reino, que vive separado de todos os outros, que pratica novas leis e cerimônias, e que, além disso, despreza as ordens do rei. Não é do interesse do rei, deixar essa gente em sossego.

9. Se te apraz, ordena a sua perda, e eu pesarei aos tesoureiros do teu erário dez mil talentos (provenientes da confiscação dos bens dos Judeus).

10. Então o rei tirou do seu dedo o anel que costumava trazer, e deu-o a Aman, filho de Amadati, da linhagem de Agag, inimigo dos Judeus,

11. e disse-lhe: O dinheiro que prometes seja teu, e relativamente ao povo faz o que quiseres.

12. Foram chamados os secretários do rei no mês primeiro de Nisan, no dia treze do mesmo mês, e foi escrito, em nome do rei Assuero, como tinha ordenado Aman, a todos os governadores das províncias e aos chefes de cada povo, a cada província conforme (os caracteres da) sua escrita, a cada povo em sua própria língua. Escreveu-se em nome do rei Assuero, e o edito foi selado com o selo real.

13. Foram enviadas cartas pelos correios do rei a todas as províncias, para que matassem, exterminassem todos os Judeus, jovens e velhos, meninos e mulheres, num mesmo dia, isto é, a treze do mês duodécimo, que se chama Adar, e saqueassem os seus bens.

14. Foi mandada cópia do edito a todos os povos, edito que devia ser promulgado como lei em cada província, para que todas as províncias fossem informadas e se preparassem para o referido dia.

15. Os correios, que tinham sido enviados, apressavam-se a cumprir a ordem do rei. Logo se afixou em Susa o edito, enquanto o rei e Aman celebravam um banquete, e todos os Judeus, que havia na cidade, se debulhavam em lágrimas.





“A cada vitória sobre o pecado corresponde um grau de glória eterna”. São Padre Pio de Pietrelcina