1. Saindo dali, foi Jesus para o território da Judeia, e alem do Jordão. Novamente as multidões se juntaram em volta dele, e de novo as ensinava, segundo o seu costume,

2. Aproximando-se os fariseus, perguntavam-lhe para o tentarem: "É lícito ao marido repudiar sua mulher?"

3. Ele respondeu-lhes: "Que vos mandou Moisés?"

4. Eles responderam: "Moisés permitiu escrever libelo de divórcio, e separar-se dela (Dt. 24, 1)."

5. Jesus disse-lhes: "Por causa da dureza de vosso coração é que ele vos deu essa lei.

6. Porém, no princípio da criação. Deus fê-los homem e mulher.

7. Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se juntará a sua mulher;

8. e os dois serão uma só carne (Gn. 2, 24). Assim não mais são dois, mas uma só carne.

9. Portanto não separe o homem o que Deus juntou."

10. Em casa os seus discípulos interrogaram-no novamente sobre o mesmo assunto.

11. Ele disse-lhes: "Qualquer que repudiar sua mulher e se casar com outra, comete adultério contra a primeira;

12. e se a mulher repudiar seu marido e se casar com outro, comete adultério."

13. Apresentavam-lhe uns meninos para que os tocasse, mas os discípulos ameaçavam os que lhos apresentavam.

14. Vendo isto Jesus, ficou muito desgostoso, e disse-lhes: "Deixai vir a mim os meninos, não os embaraceis, porque destes tais é o reino de Deus.

15. Em verdade vos digo: "Todo o que não receber o reino de Deus como um menino, não entrará nele."

16. Depois, abraçou-os, e, impondo-lhes as mãos, os abençoava.

17. Tendo saído para se pôr a caminho, veio um homem correndo, e, ajoelhando-se diante dele, perguntou-lhe : "Bom Mestre, que devo fazer para alcançar a vida eterna?" (ver nota)

18. Jesus disse-lhe: "Porque, me chamas bom? Ninguém é bom senão Deus.

19. Tu conheces os mandamentos: Não mates, não cometas adultério, não furtes, não digas falso testemunho, não cometas fraudes, honra teu pai e tua mãe (Ex. 20, 13-16); Dt. 5, 17-20)."

20. Eie respondeu: "Mestre, todas estas coisas tenho observado desde a minha mocidade."

21. Jesus, pondo nele os olhos, mostrou-lhe afeto, e disse-lhe: "Uma coisa te falta; vai, vende quanto tens, dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; depois vem e segue-me."

22. Mas ele, entristecido por esta palavra, retirou-se desgostoso, porque tinha muitos bens.

23. Jesus, olhando em roda, disse a seus discípulos: "Quanto é difícil que entrem no reino de Deus os que têm riquezas!"

24. Os discípulos assombravam-se das suas palavras. Mas Jesus de novo lhes disse: "Meus filhos, quanto é difícil entrarem no reino de Deus os que confiam nas riquezas!

25. Mais fácil é passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que um rico entrar no reino de Deus."

26. Eles, de cada vez mais admirados, diziam uns para os outros: "Quem pode logo salvar-se?"

27. Jesus, olhando para eles, disse: "Para os homens isto é impossível, mas não para Deus, porque a Deus tudo é possível."

28. Pedro começou a dizer-lhe: "Eis que deixámos tudo, e te seguimos."

29. Jesus respondeu : "Na verdade vos digo : Ninguém há que tenha deixado a casa, os irmãos, as irmãs, o pai, a mãe, os filhos, ou as terras, por causa de mim e do Evangelho,

30. que não receba o cêntuplo, mesmo nesta vida, em casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e terras, mesmo no meio das perseguições, e no século futuro a vida eterna.

31. Porém muitos dos primeiros serão os últimos, e os últimos serão os primeiros." (ver nota)

32. Iam em viagem para subir a Jerusalém; Jesus ia adiante deles. E iam perturbados, e seguiam-no com medo. Tomando novamente de parte os doze, começou a dizer-lhes o que tinha de lhe acontecer:

33. "Eis que subimos a Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos príncipes dos sacerdotes, e aos escribas; eles o condenarão à morte, e o entregarão aos gentios;

34. o escarnecerão, lhe cuspirão, o açoutarão, e lhe tirarão a vida. Mas, ao terceiro dia, ressuscitará.

35. Então aproximaram-se dele Tiago e João, filhos de Zebedeu, dizendo : "Mestre, queremos que nos concedas o que te vamos pedir."

36. Ele disse-lhes: "Que quereis vós que eu vos conceda?"

37. Eles responderam: "Concede-nos que, na tua glória, um de nós se sente à tua direita e outro à tua esquerda."

38. Mas Jesus disse-lhes: "Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu vou beber, ou ser batizados no batismo em que eu vou ser batizado?"

39. Eles disseram-lhe : "Podemos." Jesus disse-lhes: "Efetivamente haveis de beber o cálice que eu vou beber, e haveis de ser batizados no batismo em que eu vou ser batizado; (ver nota)

40. mas, quanto a estardes sentados à minha direita ou à minha esquerda, não pertence a mim o conceder-vo-lo, mas é para aqueles, para quem está preparado."

41. Ouvindo isto os dez, começaram a indignar-se contra Tiago e João.

42. Mas Jesus, chamando-os, disse-Ihes: "Vós sabeis que aqueles que são reconhecidos como chefes das nações as dominam, e que os seus príncipes têm poder sobre elas.

43. Porém entre vós não deve ser assim, mas o que quiser ser o maior, será o vosso servo,

44. e o que entre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos.

45. Porque também o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida para redenção de muitos."

46. Chegaram a Jericó. Ao sair de Jericó, ele, os seus discípulos e grande multidão, Bartimeu, mendigo cego, filho de Timeu, estava sentado junto ao caminho.

47. Quando ouviu dizer que era Jesus Nazareno, começou a gritar, e a dizer: "Jesus, Filho de David, tem piedade de mim!"

48. Muitos ameaçavam-no para que se calasse. Mas ele cada vez gritava mais forte: "Filho de David, tem piedade de mim!"

49. Jesus, parando, disse: "Chamai-o." Chamaram o cego, dizendo-lhe: "Tem confiança, levanta-te, ele chama-te."

50. Ele deitando fora de si a capa, levantou-se de um salto, e foi ter com Jesus.

51. Tomando Jesus a palavra, disse-lhe: "Que queres que eu te faça?" O cego respondeu: 'Rabbanni faz que eu recupere a vista."

52. Então Jesus disse-lhe: "Vai, a tua fé te salvou." No mesmo instante recuperou a vista, e o seguia pelo caminho.





“Jesus vê, conhece e pesa todas as suas ações.” São Padre Pio de Pietrelcina