1. Deixando, pois, toda a malícia, todo o engano, dissimulações, invejas e toda a sorte de detrações,

2. como meninos recém-nascidos, desejai ardentemente o puro leite espiritual, para, por meio dele, crescerdes para a salvação — (ver nota)

3. se é que saboreastes como é doce o Senhor (Ps. 33, 9)

4. Aproximai-vos dele, pedra viva, rejeitada pelos homens, mas escolhida e honrada por Deus,

5. e vós também, como pedras vivas, prestai-vos a entrar na edificação de uma casa espiritual, para formar assim o sacerdócio santo para oferecer sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus por Jesus Cristo.

6. Por isso se lê na Escritura: Eis que ponho em Sião uma pedra angular, escolhida, preciosa, e o que confiar nela não será confundido (Is. 28, 16).

7. Honra, pois, a vós, crentes; para os incrédulos, porém, a pedra que os construtores regeitaram tornou-se cabeça do ângulo,

8. pedra de tropeço e pedra de escândalo (Ps. 117, 22; Is. 8, 14). Eles tropeçam, porque se recusam a crer na palavra (do Evangelho): é a isso que estão destinados. (ver nota)

9. Vós, porém, sois uma geração escolhida, um sacerdócio real, uma gente santa, um povo adquirido por Deus, para que publiqueis as perfeições daquele que das trevas vos chamou à luz admirável. (ver nota)

10. Vós, que outrora não éreis seu povo, agora sois povo de Deus: vós, que não tínheis alcançado misericórdia (Os. 2, 23), agora alcançastes misericórdia.

11. Carrissimos, rogo-vos que, como estrangeiros e peregrinos (que sois neste mundo), vos abstenhais dos desejos carnais que combatem contra a alma.

12. Tende bom proceder entre os gentios, para que, naquilo mesmo sobre que vos caluniam como malfeitores, cheguem, reparando nas vossas boas obras, a dar glória a Deus no dia em que os visitar (chamando-os à fé).

13. Sede submissos a toda a instituição humana, por causa do Senhor, quer ao rei, como a soberano,

14. quer aos governadores, como enviados por ele para punir os malfeitores e louvar os bons,

15. porque a vontade de Deus é que, fazendo o bem, façais emudecer a ignorância dos homens insensatos.

16. Procedei como homens livres, não como homens que têm a liberdade por véu para encobrir a malícia, mas como servos de Deus.

17. Honrai a todos, amai os irmãos, temei a Deus, respeitai o rei.

18. Servos, sede obedientes aos vossos senhores com grande respeito, não só aos bons e moderados, mas também aos de carácter difícil,

19. porque é uma coisa agradável a Deus o suportar alguém contrariedades, sofrendo injustamente pelo conhecimento do que deve a Deus.

20. Efetivamente, que glória (mereceis) se, depois de ter cometido uma falta, suportais pacientemente a punição? Mas, se fazendo bem, sofreis com paciência, isto é que é agradável diante de Deus.

21. Com efeito para isto é que vós fostes chamados, pois que Cristo também sofreu por vós deixando-vos o exemplo, para que sigais as suas pisadas, (ver nota)

22. ele que não cometeu pecado, e em cuja boca se não encontrou engano (Is. 53, 9);

23. quando o injuriavam, não injuriava, sofrendo, não ameaçava, mas entregava-se ao justo Juiz;

24. foi ele mesmo que levou os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro (da cruz), a fim de que, mortos para os pecados, vivamos para a justiça: por suas chagas fostes sarados (Is. 53, 5).

25. Porque vós éreis como ovelhas desgarradas, mas agora vos convertestes aos pastor e guarda das vossas almas.





“Não sejamos mesquinhos com Deus que tanto nos enriquece.” São Padre Pio de Pietrelcina