1. Havia então em Cesareia um homem chamado Cornélio, centurião da coorte chamada Itálica,

2. religioso e temente a Deus com toda a sua casa, o qual dava muitas esmolas ao povo e orava a Deus assiduamente.

3. Este viu claramente numa visão, cerca da hora nona, que um anjo de Deus se apresentava diante dele e lhe dizia: "Cornélio."

4. Ele, fixando os olhos no anjo, possuído de temor, disse: "Que é isto, Senhor?" O anjo respondeu-lhe: "As tuas orações e as tuas esmolas subiram como um memorial à presença de Deus.

5. Agora envia homens a Jope e manda vir um certo Simão, que tem por sobrenome Pedro,

6. o qual se encontra hospedado em casa de um tal Simão, curtidor, cuja casa fica junto ao mar."

7. Tendo-se retirado o anjo que lhe falava, (Cornélio) chamou dois dos seus criados e um soldado temente a Deus, daqueles que estavam às suas ordens,

8. e, tendo-lhes contado tudo isto, os enviou a Jope.

9. No dia seguinte, indo eles em viagem e estando perto da cidade, subiu Pedro à parte superior da casa para fazer oração, cerca da hora sexta.

10. Como tivesse fome, quis comer. Mas, enquanto lho preparavam, caiu em êxtase:

11. viu o céu aberto, e descer um objecto, semelhante a um grande lençol, suspenso pelos quatro cantos, que baixava para a terra,

12. no qual havia de todos os quadrúpedes, répteis da terra e aves do céu.

13. Ouviu esta voz: "Levanta-te, Pedro, mata e come."

14. Mas Pedro disse: "De nenhum modo. Senhor, porque nunca comi nada manchado ou impuro."

15. Mas a voz tornou-lhe segunda vez a dizer: "Não chames impuro ao que Deus declarou puro."

16. Isto repetiu-se três vezes, e logo o objecto foi retirado para o céu.

17. Enquanto Pedro estava incerto dentro de si sobre o que queria significar a visão que tinha tido, eis que os homens enviados por Cornélio, perguntando pela casa de Simão, chegaram à porta.

18. Tendo chamado, perguntaram se estava ali hospedado Simão, que tinha por sobrenome Pedro.

19. Estando Pedro a pensar na visão, disse-lhe o Espírito: "Eis três homens que te procuram.

20. Levanta-te, pois, desce e vai com eles sem duvidar, porque fui eu que os enviei."

21. Descendo Pedro para ir ter com os homens, disse: "Aqui me tendes, sou eu quem buscais; qual é a causa por que viestes aqui?"

22. Eles disseram: "O centurião Cornélio, homem justo e temente a Deus, tido em consideração por toda a nação dos Judeus, recebeu ordem de um anjo santo para te mandar chamar a sua casa, para ouvir as tuas palavras."

23. Então (Pedro), mandando-os entrar, os hospedou. No dia seguinte, levantando-se, partiu com eles, em companhia de alguns irmãos de Jope.

24. No dia seguinte, entraram em Cesareia. Cornélio estava-os esperando, tendo convidado os seus parentes e mais íntimos amigos.

25. Quando Pedro estava para entrar, saiu Cornélio a recebê-lo, prostrando-se a seus pés.

26. Mas Pedro o levantou, dizendo: "Levanta-te, que eu também sou um homem."

27. E, conversando com ele, entrou em casa, onde encontrou muitas pessoas reunidas.

28. Disse-lhes: "Vós sabeis como é coisa abominável, para um homem judeu, o unir-se a um estrangeiro ou aproximar-se dele; mas Deus mostrou-me que a nenhum homem chamasse manchado ou impuro.

29. Por isso vim sem hesitação, logo que fui chamado. Pergunto, pois, por que motivo me chamastes?"

30. Cornélio disse: "Faz hoje quatro dias que eu estava orando em minha casa, à hora nona, quando apareceu diante de mim um homem de vestes resplandecentes, que me disse:

31. Cornélio, a tua oração foi atendida, e as tuas esmolas foram lembradas na presença de Deus.

32. Manda, pois, a Jope chamar Simão, que tem por sobrenome Pedro, o qual está hospedado em casa de Simão, curtidor, junto do mar.

33. Por isso mandei imediatamente chamar-te, e tu fizeste bem em vir. Agora todos nós, reunidos aqui, na presença de Deus, estamos dispostos a ouvir tudo o que o Senhor te ordenou que nos digas."

34. Então Pedro, tomando a palavra, disse: "Na verdade reconheço que Deus não faz acepção de pessoas,

35. mas que, em qualquer nação, aquele que o teme e pratica a justiça, lhe é agradável.

36. Deus enviou a sua palavra aos filhos de Israel, anunciando-lhes a boa nova da paz por meio de Jesus Cristo, que é o Senhor de todos.

37. Sabeis o que aconteceu por toda a Judeia, começando pela Galileia, depois do baptismo que João pregou:

38. Como Deus ungiu com o Espírito Santo e com poder a Jesus de Nazaré, o qual andou, de lugar em lugar, fazendo bem e sarando todos os oprimidos do demônio, porque Deus era com ele.

39. Nós somos testemunhas de tudo o que ele fez no país dos Judeus e em Jerusalém; mas mataram-no, suspendendo-o num madeiro.

40. Deus, porém, ressuscitou-o, ao terceiro dia, e fez que se manifestasse,

41. não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus tinha escolhido antes, a nós que comemos e bebemos com ele, depois que ressuscitou dos mortos.

42. Mandou-nos pregar ao povo e dar testemunho de que ele é o que Deus constituiu juiz dos vivos e dos mortos.

43. Dele dão este testemunho todos os profetas: todo o que crê nele, recebe por meio do seu nome, a remissão dos pecados." (ver nota)

44. Estando Pedro ainda proferindo estas palavras, desceu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a pregação.

45. E os fiéis circuncisos, que tinham ido com Pedro, admiraram-se de ver que a graça do Espírito Santo foi também difundida sobre os gentios, (ver nota)

46. porque os ouviam falar línguas e glorificar a Deus. Então Pedro disse:

47. "Porventura pode alguém recusar a água do baptismo àqueles que receberam o Espírito Santo como nós?"

48. E mandou que fossem baptizados em nome de Jesus Cristo. Então rogaram-lhe que ficasse alguns dias com eles.





“O Santo Sacrifício da Missa é o sufrágio mais eficaz, que ultrapassa todas as orações, as boas obras e as penitências. Infalivelmente produz seu efeito para vantagem das almas por sua virtude própria e imediata.” São Padre Pio de Pietrelcina