1. O primeiro homem, o pai do mundo, que foi criado sozinho, foi a sabedoria que cuidou dele, tirou-o de seu próprio pecado,*

2. e deu-lhe o poder de reinar sobre todas as coisas.

3. E porque o perverso, na sua ira, dela se afastou, pereceu depois de seu furor fratricida.*

4. E estando a terra submersa por causa dele pelo dilúvio, a sabedoria de novo o salvou, conduzindo o justo num lenho sem valor.*

5. E quando as nações unânimes caíram no mal, foi ela que distinguiu o justo, o manteve irrepreensível diante de Deus, e lhe deu a força para vencer sua ternura pelo seu filho.*

6. Foi ela que, quando do aniquilamento dos ímpios, salvou o justo, subtraindo-o ao fogo que descera sobre a Pentápole,*

7. cuja perversidade ainda no presente é testemunhada por uma terra fumegante e deserta, onde as árvores carregam frutos incapazes de amadurecer, e onde está erigida uma coluna de sal, memorial de uma alma incrédula.

8. Porque aqueles que desprezaram a sabedoria, não somente se prejudicaram em ignorar o bem, mas ainda deixaram aos homens um testemunho de sua loucura, para que seus pecados não fossem esquecidos.

9. Quanto aos que a honram, a sabedoria os liberta de sofrimentos;

10. foi ela que guiou por caminhos retos o justo que fugia à ira de seu irmão; mostrou-lhe o Reino de Deus, e deu-lhe o conhecimento das coisas santas; ajudou-o nos seus trabalhos, e fez frutificar seus esforços;*

11. cuidou dele contra ávidos opressores e o fez conquistar riquezas;

12. ela o protegeu contra seus inimigos e o defendeu dos que lhe armavam ciladas; e, no duro combate, deu-lhe vitória, a fim de que ele soubesse quanto a piedade é mais forte que tudo.

13. Ela não abandonou o justo vendido, mas preservou-o do pecado.*

14. Desceu com ele à prisão, e não o abandonou nas suas cadeias, até que lhe trouxe o cetro do reino e o poder sobre os que o tinham oprimido; revelou-lhe a mentira de seus acusadores, e conferiu-lhe uma glória eterna.

15. Foi ela que livrou das nações que tiranizavam o povo santo e a raça irrepreensível;

16. entrou na alma do servo de Deus, e se opôs, com sinais e prodígios, a reis temíveis.*

17. Deu aos santos o galardão de seus trabalhos, conduziu-os por um caminho miraculoso; durante o dia serviu-lhes de proteção, e deu-lhes a luz dos astros durante a noite.*

18. Fê-los atravessar o mar Vermelho, e deu-lhes passagem através da massa das águas,

19. ao passo que engoliu seus inimigos, e depois os tirou das profundezas do abismo.

20. Também os justos, depois de despojados os ímpios, celebraram, Senhor, vosso santo nome, e louvaram, unidos num só coração, vossa mão protetora,

21. porque a sabedoria abriu a boca aos mudos, e tornou eloquente a língua das crianças.

Bíblia Ave Maria - Todos os direitos reservados.

10,1. Primeiro homem: alusão à criação de Adão: Gn 1,26-30; 2,18-25.

10,3. O perverso: homicídio e punição de Caim: Gn 4,8-16.

10,4. O justo: Noé a quem Deus salvou num simples barco de madeira: Gn 6–9.

10,5. O justo: Abraão que levou a obediência até estar pronto a imolar seu único filho: Gn 12,22.

10,6. O justo: Ló que Deus salvou do incêndio de Sodoma e de outras cidades condenadas pelos seus pecados: Gn 19.

10,10. O justo: Jacó, com sua visão em Betel e sua luta com o anjo: Gn 28s.

10,13. O justo: José, vendido por seus irmãos e tornado ministro do faraó do Egito: Gn 37-47.

10,16. Servo de Deus: Moisés, que fez sair os hebreus do Egito.

10,17. Galardão: as riquezas e os vasos preciosos que os hebreus levavam. Serviu: na nuvem escura durante o dia e luminosa durante a noite.




Livraria Católica

Conheça esses e outros livros em nossa livraria.



“Não queremos aceitar o fato de que o sofrimento é necessário para nossa alma e de que a cruz deve ser o nosso pão cotidiano. Assim como o corpo precisa ser nutrido, também a alma precisa da cruz, dia a dia, para purificá-la e desapegá-la das coisas terrenas. Não queremos entender que Deus não quer e não pode salvar-nos nem santificar-nos sem a cruz. Quanto mais Ele chama uma alma a Si, mais a santifica por meio da cruz.” São Padre Pio de Pietrelcina