1. Rogamo-vos, irmãos, pela vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo e pela nossa reunião com ele,

2. que não deixeis facilmente perturbar o vosso espírito nem alarmar por qualquer pretensa revelação, ou palavra, ou por qualquer carta atribuída a nós, como se o dia do Senhor estivesse perto.

3. Ninguém de modo algum vos engane, porque isto não se dará sem que antes venha a apostasia (quase geral dos fiéis), e sem que tenha aparecido o homem do pecado, o filho da perdição,

4. o qual se oporá (a Deus) e se elevará sobre tudo o que se chama Deus ou que é adorado, de sorte que se sentará no templo de Deus, apresentando-se como se fosse Deus.

5. Não vos lembrais que eu vos dizia estas coisas, quando ainda estava convosco ?

6. E vós agora sabeis o que é que o retém, até que chegue o tempo de se manifestar. (ver nota)

7. Com efeito, o mistério da iniquidade (posto que ainda não tenha aparecido o Anticristo) já se opera, somente falta que aquele, que agora o retém, desapareça.

8. E então se manifestará esse iníquo (a quem o Senhor Jesus destruirá com o sopro da sua boca e aniquilará com o resplendor da sua vinda).

9. A vinda deste iníquo será acompanhada, por obra de Satanás, de toda a espécie de milagres, sinais e prodígios mentirosos,

10. de todas as seduções da iniquidade para aqueles que se perdem, porque (por sua culpa) não abraçaram o amor da verdade, que os salvaria. (ver nota)

11. Por isso Deus lhes envia um poder de sedução, de tal modo que creiam na mentira,

12. para que sejam condenados todos os que não deram crédito à verdade, mas puserem a sua complacência no mal.

13. Mas nós devemos sempre dar graças a Deus por vós, ó irmãos queridos do Senhor, porque Deus vos escolheu como primícias para a salvação, pela santificação do Espírito e pela verdadeira fé,

14. à qual vos chamou por meio do nosso Evangelho, para vos fazer alcançar a glória de Nosso Senhor Jesus Cristo.

15. Permanecei, pois, constantes, irmãos, e conservai as tradições, que aprendestes, ou por nossas palavras ou por nossa carta.

16. E o mesmo Nosso Senhor Jesus Cristo, e Deus e Pai nosso, o qual nos amou e nos deu uma consolação eterna e uma boa esperança pela graça,

17. console os vossos corações e os confirme em toda a boa obra e palavra.





“O mais belo Credo é o que se pronuncia no escuro, no sacrifício, com esforço”. São Padre Pio de Pietrelcina