1. No terceiro ano de Ciro, rei dos Persas, foi revelada a Daniel, chamado Baltasar, uma palavra verdadeira e anunciadora de grandes lutas. Ele entendeu a palavra e teve inteligência da visão.

2. Naqueles dias, eu, Daniel, fiz penitência durante três semanas:

3. não tomei alimento algum apetitoso, nem carne nem vinho entraram na minha boca, não me ungi, até que se completassem os dias destas três semanas.

4. No dia vinte e quatro do primeiro mês, estava eu junto do grande rio, que é o Tigre.

5. Levantei os olhos e vi um homem vestido de roupas de linho e cingido pelos rins com um cinto de ouro de Ufaz;

6. o seu corpo era (brilhante) como o crisólito, o seu rosto como o relâmpago, e os seus olhos pareciam fachos ardentes; os seus braços e todo o resto do corpo até aos pés eram semelhantes ao bronze reluzente, e o som das suas palavras era como o ruído das multidões.

7. Somente eu, Daniel, tive esta visão; os homens que estavam comigo não a tiveram, mas caiu sobre eles um terror tão grande que fugiram para lugares ocultos.

8. Tendo eu, pois, ficado sozinho, vi esta grande aparição. Não ficou vigor em mim, mudou-se o meu semblante, fiquei desfigurado e perdi todas as forças.

9. Ouvi o som das suas palavras, e, ouvindo-o, caí desfalecido, de rosto contra a terra.

10. E eis que uma mão me tocou e me fez levantar sobre os meus joelhos e sobre as palmas das minhas mãos.

11. Depois disse-me: Daniel, homem predilecto (de Deus), entende as palavras que te venho dizer, e põ-te de pé, porque fui agora enviado a ti. Quando proferiu estas palavras, pus-me de pé, tremendo.

12. Disse-me: Não tenhas medo, Daniel, porque desde o primeiro dia, em que aplicaste o teu coração a compreender e a mortificar-te na presença do teu Deus, foram ouvidas as tuas palavras, e eu vim por causa delas.

13. O príncipe do reino dos Persas resistiu-me durante vinte e um dias; mas eis que veio em meu socorro Miguel, um dos primeiros príncipes, e eu fiquei lá junto do rei dos Persas. (ver nota)

14. Vim para te ensinar as coisas que estão para suceder ao teu povo nos últimos dias, porque o cumprimento desta visão ainda está para esses dias (longínquos).

15. Enquanto ele me dizia estas palavras, estive com os olhos postos no chão, em silêncio.

16. E eis que um ser semelhante a um filho de homem, me tocou os lábios e eu, abrindo a minha boca, falei; disse ao que estava em pé diante de mim : Meu Senhor, esta visão angustiou-me, e não me ficou força alguma.

17. Como poderá o servo do meu Senhor falar com o meu Senhor? Estou sem força, falta-me o alento.

18. Então aquele que eu via sob a aparência dum homem, tornou-me a tocar, confortou-me,

19. e disse; Não temas, homem predilecto (de Deus)! A paz seja contigo! Tem vigor! Coragem! Quando ele ainda me falava, recobrei as forças e disse; Fala, meu Senhor, porque me fortaleceste.

20. Então disse-me ele ; Sabes tu por que é que vim ter contigo? Agora volto a pelejar contra o príncipe dos, Persas. Quando eu sair, virá o príncipe dos Gregos.

21. Mas (antes disso) anunciar-te-ei o que está expresso no seguir, livro da verdade. Em todas estas coisas ninguém me ajuda senão Miguel, que é o vosso príncipe.





“O Senhor sempre orienta e chama; mas não se quer segui-lo e responder-lhe, pois só se vê os próprios interesses. Às vezes, pelo fato de se ouvir sempre a Sua voz, ninguém mais se apercebe dela; mas o Senhor ilumina e chama. São os homens que se colocam na posição de não conseguir mais escutar.” São Padre Pio de Pietrelcina