1. Palavras de Agur, filho de Jaces, de Massa. Palavras desse homem: Eu me fatiguei por Deus, estou esgotado por Deus, eis-me entregue.*

2. Porque eu sou o mais insensato dos homens, não tenho a inteligência de um homem.

3. Não aprendi a sabedoria e não conheci a ciência do Santo.*

4. Quem subiu ao céu e desceu? Quem reteve o vento em suas mãos? Quem envolveu as águas em seu manto? Quem determinou as extremidades da terra? Qual é o seu nome, qual é o nome de seu filho, se é que o sabes?

5. Toda a palavra de Deus é provada, é um escudo para quem se fia nele.

6. Não acrescentes nada às suas palavras, para que ele não te corrija e sejas achado mentiroso.

7. Eu te peço duas coisas, não me negues antes de minha morte:

8. afasta de mim falsidade e mentira, não me dês nem pobreza nem riqueza, concede-me o pão que me é necessário,

9. para que, saciado, eu não te renegue, e não diga: “Quem é o Senhor?”. Ou que, pobre, eu não roube, e não profane o nome do meu Deus.

10. Não calunies um escravo junto de seu senhor, para que ele não te amaldiçoe e sofras o castigo.

11. Há uma raça que amaldiçoa seu pai e que não abençoa sua mãe.

12. Há uma raça que se julga pura e que não está limpa de sua mancha.

13. Há uma raça, oh, cujos olhos são altivos, com pálpebras levantadas!

14. Há uma raça cujos dentes são espadas e os maxilares, facas, para devorar os desvalidos da terra e os indigentes dentre os homens.

15. A sanguessuga tem duas filhas: Dá! Dá! Há três coisas insaciáveis, quatro mesmo, que nunca dizem: “Basta!”.

16. A habitação dos mortos, o seio estéril, o solo que a água jamais sacia e o fogo que nunca diz: “Basta!”.

17. Os olhos de quem zomba do pai, de quem se recusa a obedecer a sua mãe: os corvos da torrente o arrebatarão, os filhos da águia o devorarão.

18. Há três coisas que me são mistério, quatro mesmo, que não compreendo:

19. O voo da águia nos céus, o rastejar da cobra no rochedo, a navegação de um navio em pleno mar, o caminho de um homem junto a uma jovem.*

20. Tal é o procedimento da mulher adúltera: come, depois limpa a boca, dizendo: “Não fiz mal algum”.*

21. Três coisas fazem tremer a terra, há mesmo quatro que ela não pode suportar:

22. Um escravo que se torna rei, um tolo que está farto de pão,

23. uma filha desprezada que se casa, uma serva que suplanta sua senhora.

24. Há quatro animais pequenos na terra que, entretanto, são sábios, muito sábios:

25. as formigas, povo sem força, que, durante o verão, preparam suas provisões,

26. os arganazes, povo sem poder, que fazem sua habitação nos rochedos,

27. os gafanhotos, que não têm rei e avançam todos em bandos,

28. a lagartixa, que se pode pegar na mão e penetra nos palácios reais.

29. Há três coisas que têm bela aparência, quatro mesmo, que andam garbosamente:

30. o leão, o mais bravo dos animais, que não recua diante de nada,

31. o animal cingido pelos rins, o bode e o rei acompanhado de seu exército.*

32. Se tiveres a asneira de elevar-te a ti mesmo, refletindo nisso, depois, põe tua mão à boca,

33. porque quem comprime o leite, tira dele a manteiga, quem aperta o nariz, faz jorrar o sangue, quem provoca a cólera, promove a disputa.

Bíblia Ave Maria - Todos os direitos reservados.

30,1. Diversas traduções são possíveis. 1. Segundo o hebraico: Palavras ditas a Itiel, e a Ucal. 2. Segundo o grego: Teme minhas palavras, meu filho; após havê-las recebido, arrepende-te. Eis o que diz esse homem aos que creem em Deus, e me detenho. 3. Segundo o latim: Palavras daquele que ajunta, filho daquele que vomita. Visão descrita por um homem com o qual Deus mora, e que, fortificado pela presença de Deus nele, declara. A tradução dada repousa sobre uma correção conjetural do texto.

30,3. Não aprendi: o texto grego traz – Mas Deus me ensinou… e eu a adquiri.

30,19. O voo: os quatro versos contêm em hebraico a mesma palavra que significa: estrada, caminho, marcha. Alguns traduzem as quatro vezes pela palavra rastro, o que transforma a interpretação: os quatro feitos indicados não deixam vestígio.

30,20. Come: eufemismo, que significa – ela se entrega ao prazer.

30,31. Cingido pelos rins: não se sabe qual o animal designado por essa perífrase; propuseram: o cavalo, o lebréu, o galo. O texto grego traz: o galo, que anda muito senhor de si entre as galinhas, o bode, que conduz o rebanho de cabras, e o rei que discursa ao seu exército. O hebraico está certamente truncado.




Livraria Católica

Conheça esses e outros livros em nossa livraria.



“Temos muita facilidade para pedir, mas não para agradecer”. São Padre Pio de Pietrelcina