1. Passados alguns dias, entrou Jesus outra vez em Cafarnaum,

2. e soube-se que ele estava em casa. Juntou-se muita gente, de modo que não se cabia, nem mesmo diante da porta. E ele pregava-lhes a palavra.

3. Foram ter com ele, conduzindo um paralítico, que era transportado por quatro.

4. Como não pudessem apresentar-lho por causa da multidão, descobriram o tecto pela parte debaixo da qual estava Jesus, e, tendo feito uma abertura, desceram o leito, em que jazia o paralítico.

5. Vendo Jesus a fé daqueles homens, disse ao paralítico: "Filho, são-te perdoados os teus pecados."

6. Estavam ali sentados alguns escribas, os quais iam discorrendo nos seus corações :

7. "Como fala assim este homem ? Ele blasfema. Quem pode perdoar os pecados, senão só Deus?"

8. Jesus, conhecendo logo no seu espírito que eles discorriam desta maneira dentro de si, disse-lhes: Porque pensais isso nos vossos corações ?

9. O que é menos difícil dizer ao paralítico: Os teus pecados te são perdoados; ou dizer: Levanta-te, toma o teu leito, e anda?

10. Ora, para que saibais que o Filho do homem tem na terra poder de perdoar pecados...

11. eu te ordeno, disse ao paralítico: "Levanta-te, toma o teu leito, e vai para tua casa."

12. Imediatamente ele se levantou, e, tomando o seu leito, retirou-se à vista de todos, de maneira que todos se admiraram e louvavam a Deus, dizendo: "Nunca tal vimos."

13. Foi outra vez para o lado do mar. Ia ter com ele todo o povo, e o ensinava.

14. Ao passar viu Levi, filho de Alfeu, sentado no telónio, e disse-lhe; "Segue-me." Ele, levantando-se, o seguiu.

15. Aconteceu que, estando Jesus sentado à mesa em casa dele, estavam também à mesa com Jesus e com os seus discípulos muitos publicanos e pecadores, porque havia muitos deles que também o seguiam.

16. Os escribas e fariseus, vendo que Jesus comia com os pecadores e publicanos, diziam a seus discípulos : "Porque come e bebe o vosso Mestre com os publicanos e pecadores?"

17. Ouvindo isto Jesus, disse-lhes: "Os sãos não têm necessidade de médico, mas os enfermos; eu não vim chamar os justos mas os pecadores."

18. Os discípulos de João e os fariseus jejuavam. Foram pois ter com Jesus, e disseram-lhe: "Porque jejuam os discípulos de João e os fariseus, e não jejuam os teus discípulos?"

19. Jesus respondeu-lhes: "Podem porventura jejuar os companheiros do esposo, enquanto o esposo está com eles? Todo o tempo que têm consigo o esposo, não podem jejuar. (ver nota)

20. Mas virão dias em que lhes será tirado o esposo, e então nesses dias jejuarão.

21. Ninguém cose um remendo de pano cru num vestido velho; doutra sorte o remendo novo leva parte do velho, e torna-se maior o rasgão.

22. Ninguém lança vinho novo em odres velhos; doutra sorte o vinho fará arrebentar os odres, e entornar-se-á o vinho, e perder-se-ão os odres; mas para vinho novo, odres novos."

23. Sucedeu que, caminhando o Senhor em dia de sábado, por entre campos de trigo, os seus discípulos, enquanto caminhavam, começaram a colher espigas.

24. Os fariseus diziam-lhe: "Como é que fazem ao sábado o que não é lícito?"

25. Ele respondeu-lhes: "Nunca lestes o que fez David, quando se encontrou em necessidade, e teve fome, ele e os que com ele estavam?

26. Como entrou na casa de Deus, sendo sumo sacerdote Abiatar, e comeu os pães da proposição, dos quais não é lícito comer, senão aos sacerdotes, e deu aos que com ele estavam?"

27. E acrescentou: "O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado. (ver nota)

28. Por isso o Filho do homem é senhor também do sábado." (ver nota)





“O amor nada mais é do que o brilho de Deus nos homens”. São Padre Pio de Pietrelcina