1. No ano terceiro do reinado de Joaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor rei de Babilônia, contra Jerusalém, e sitiou-a.

2. O Senhor entregou nas suas mãos Joaquim, rei de Judá e uma parte dos objectos da casa de Deus. Ele levou-os para a terra de Senaar, para a casa do seu deus; pôs os objetos na casa do tesouro do seu deus.

3. Então disse o rei a Asfenez, seu eunuco-mor, que Ihe destinasse, dentre os filhos de Israel, da linhagem dos reis e dos nobres,

4. alguns meninos em que não houvesse defeito algum, de gentil presença, hábeis para toda a sabedoria, versados nas ciências e inteligentes, que pudessem estar no palácio do rei, para que lhes fossem ensinadas as letras e a língua dos Caldeus

5. O rei ordenou que se lhes desse cada dia de comer das Iguarias reais, e de beber do vinho que ele mesmo bebia, a fim de que, mantidos deste modo durante três anos, servissem depois na presença do rei.

6. Entre estes encontraram-se dos filhos de Judá, Daniel, Ananias, Misael e Azarias.

7. O eunuco-mor pôs-lhes os seguintes nomes: a Daniel o de Baltasar, a Ananias o de Sidrac, a Misael o de Misac, e a Azarias o de Abdenago.

8. Daniel resolveu no seu coração não se contaminar com as iguarias que lhe viessem da mesa do rei, nem com o vinho que ele bebesse, e pediu ao eumuco-mor que não o obrigasse a contaminar-se. (ver nota)

9. Deus fez que Daniel achasse graça e benevolência diante do eunuco-mor.

10. Então o eunuco-mor disse a Daniel: Tenho medo do rei, meu amo, o qual determinou o que vós deveis comer e beber; se ele vir os vossos rostos mais macilentos que os dos outros jovens da vossa idade, sereis a causa de que o rei me condene.

11. Daniel respondeu ao oficial, a quem o eunuco-mor tinha ordenado que tivesse cuidado de Daniel, de Ananias, de Misael e de Azarias;

12. Peço-te que nos experimentes a nós, teus servos, durante dez dias, dando-nos só legumes a comer e água a beber;

13. depois disto, olha para os nossos rostos e para os rostos dos meninos que comem da mesa do rei, e, conforme vires, assim procederás com os teus servos.

14. Ele acedeu ao seu pedido e experimentou-os durante dez dias.

15. Depois dos dez dias apareceram os seus rostos melhores e mais gordos do que os de todos os meninos que comiam da mesa do rei.

16. O oficial pois, levava embora os manjares e o vinho que deviam beber, e dava-lhes legumes.

17. Deus concedeu a estes jovens saber e compreensão no campo das letras e da sabedoria, e a Daniel (deu) a inteligência de todas as visões e sonhos.

18. Terminando pois, o tempo, depois do qual o rei tinha ordenado que lhe fossem apresentados, o eunuco-mor introduziu-os à presença de Nabucodonosor.

19. Tendo-se o rei entretido em conversação com eles, não encontrou entre todos quem igualasse Daniel, Ananias, Misael e Azarias. Ficaram, portanto, ao serviço da pessoa real.

20. Em todas as questões que o rei lhes propôs em matéria de sabedoria e de inteligência, achou que excediam dez vezes todos os adivinhos e magos de todo o seu reino.

21. Daniel permaneceu (ao serviço do rei) até ao primeiro ano do rei Ciro.





“Se precisamos ter paciência para suportar os defeitos dos outros, quanto mais ainda precisamos para tolerar nossos próprios defeitos!” São Padre Pio de Pietrelcina