1. No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus.*

2. Ele estava no princípio junto de Deus.

3. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito.*

4. Nele havia vida, e a vida era a luz dos homens.

5. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.*

6. Houve um homem, enviado por Deus, que se chamava João.

7. Este veio como testemunha, para dar testemunho da luz, a fim de que todos cressem por meio dele.

8. Não era ele a luz, mas veio para dar testemunho da luz.

9. [O Verbo] era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem.*

10. Estava no mundo e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o reconheceu.

11. Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam.

12. Mas a todos aqueles que o receberam, aos que creem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus,

13. os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus.*

14. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade.

15. João dá testemunho dele, e exclama: “Eis aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim é maior do que eu, porque existia antes de mim”.

16. Todos nós recebemos da sua plenitude graça sobre graça.*

17. Pois a Lei foi dada por Moisés, a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.

18. Ninguém jamais viu Deus. O Filho único, que está no seio do Pai, foi quem o revelou. (= Mt 3,1-17 = Mc 1,1-13 = Lc 3,1-17)

19. Este foi o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar-lhe: “Quem és tu?”.

20. Ele fez esta declaração que confirmou sem hesitar: “Eu não sou o Cristo”. –

21. “Pois, então, quem és?” – perguntaram-lhe eles. “És tu Elias?”. Disse ele: “Não o sou”. “És tu o profeta?” Ele respondeu: “Não”.*

22. Perguntaram-lhe de novo: “Dize-nos, afinal, quem és, para que possamos dar uma resposta aos que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo?”.

23. Ele respondeu: “Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como o disse o profeta Isaías” (40,3).

24. Alguns dos emissários eram fariseus.

25. Continuaram a perguntar-lhe: “Como, pois, batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?”.

26. João respondeu: “Eu batizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis.

27. Esse é quem vem depois de mim; e eu não sou digno de lhe desatar a correia do calçado”.

28. Esse diálogo se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando.

29. No dia seguinte, João viu Jesus que vinha a ele e disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.*

30. É este de quem eu disse: Depois de mim virá um homem, que me é superior, porque existe antes de mim.

31. Eu não o conhecia, mas, se vim batizar em água, é para que ele se torne conhecido em Israel”.

32. (João havia declarado: “Vi o Espírito descer do céu em forma de uma pomba e repousar sobre ele”.)

33. Eu não o conhecia, mas aquele que me mandou batizar com água disse-me: Sobre quem vires descer e repousar o Espírito, este é quem batiza no Espírito Santo.

34. Eu o vi e dou testemunho de que ele é o Filho de Deus”.

35. No dia seguinte, estava lá João outra vez com dois dos seus discípulos.

36. E, avistando Jesus que ia passando, disse: “Eis o Cordeiro de Deus”.

37. Os dois discípulos ouviram-no falar e seguiram Jesus.

38. Voltando-se Jesus e vendo que o seguiam, perguntou-lhes: “Que procurais?”. Disseram-lhe: “Rabi (que quer dizer Mestre), onde moras?”. –

39. “Vinde e vede” – res­pondeu-lhes ele. Foram aonde ele morava e ficaram com ele aquele dia. Era cerca da hora décima.*

40. André, irmão de Simão Pedro, era um dos dois que tinham ouvido João e que o tinham seguido.*

41. Foi ele então logo à procura de seu irmão e disse-lhe: “Achamos o Messias (que quer dizer o Cristo)”.

42. Levou-o a Jesus, e Jesus, fixando nele o olhar, disse: “Tu és Simão, filho de João; serás chamado Cefas (que quer dizer pedra)”.

43. No dia seguinte, tinha Jesus a intenção de dirigir-se à Galileia. Encontra Filipe e diz-lhe: “Segue-me”.

44. (Filipe era natural de Betsaida, cidade de André e Pedro.)

45. Filipe encontra Natanael e diz-lhe: “Achamos aquele de quem Moisés escreveu na Lei e que os profetas anunciaram: é Jesus de Nazaré, filho de José”.*

46. Respondeu-lhe Natanael: “Pode, porventura, vir coisa boa de Nazaré?” Filipe retrucou: “Vem e vê”.

47. Jesus vê Natanael, que lhe vem ao encontro, e diz: “Eis um verdadeiro israelita, no qual não há falsidade”.*

48. Natanael pergunta-lhe: “Donde me conheces?” Res­pondeu Jesus: “Antes que Filipe te chamasse, eu te vi quando estavas debaixo da figueira”.

49. Falou-lhe Natanael: “Mestre, tu és o Filho de Deus, tu és o rei de Israel”.

50. Jesus replicou-lhe: “Porque eu te disse que te vi debaixo da figueira, crês! Verás coisas maiores do que esta”.

51. E ajuntou: “Em verdade, em verdade vos digo: vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”.

Bíblia Ave Maria - Wszystkie prawa zastrzeżone.

1,1. O Verbo: a palavra substancial e eterna do Pai, que constitui a segunda pessoa da Santíssima Trindade.

1,3. Conforme outra tradução: e nada do que foi feito, foi feito sem ele.

1,5. Compreenderam: outra tradução – não a reprimiram.

1,9. Verdadeira: no sentido de – original.

1,13. Não nasceram: conforme outra tradução – em seu nome, que não nasceu do sangue...

1,16. Graça sobre graça: outra tradução – graça por graça, no sentido de substituição da graça do Antigo Testamento pela graça da Nova Aliança.

1,21. O profeta: segundo a opinião dos judeus, um enviado de Deus devia preceder o Messias.

1,29. Conferir Is 53,7: o Messias sofredor é representado na imagem de um cordeiro.

1,39. A hora décima: pelas quatro horas da tarde.

1,40. O outro discípulo era o próprio João, autor do Evangelho.

1,45. Natanael: segundo nome de Bartolomeu.

1,47. Outra tradução: “verdadeiramente, eis aqui um israelita em quem não há astúcia”.




Como distinguir uma tentação de um pecado e como estar certo de que não se pecou? – perguntou um penitente. Padre Pio sorriu e respondeu: “Como se distingue um burro de um homem? O burro tem de ser conduzido; o homem conduz a si mesmo!” São Padre Pio de Pietrelcina