1. Depois disto Moisés e Aarão foram ter com Faraó e disseram-lhe: Estas coisas diz o Senhor Deus de Israel: Deixa ir o meu povo, para que me ofereça sacrifícios no deserto.

2. Ele, porém, respondeu; Quem é o Senhor, para que eu obedeça à sua voz e deixe ir Israel? Não conheço o Senhor, e não deixarei ir Israel.

3. Eles disseram: O Deus dos Hebreus chamou-nos, para que andemos três dias de caminho pelo deserto, e sacrifiquemos ao Senhor nosso Deus, não suceda que venha sobre nós a peste ou a espada.

4. O rei do Egipto respondeu-lhes: Moisés e Aarão, por que distraís o povo dos seus trabalhos? Ide para as vossas tarefas.

5. Faraó acrescentou: O vosso povo é muito numeroso, e vós quereis interromper os seus trabalhos!

6. Naquele mesmo dia ordenou aos prefeitos das obras e aos exactores do povo:

7. Não mais dareis palha, como antes, ao povo para fazer tejolos, mas eles mesmos juntarão a palha. (ver nota)

8. Porém os obrigareis à mesma quantidade de tejolos que antes (faziam) sem lhes diminuir nada, por que estão ociosos, e por isso gritam: Vamos, e sacrificaremos ao nosso Deus.

9. Sejam oprimidos com trabalhos, estejam ocupados, para que não atendam a palavras mentirosas.

10. Saíram, pois, os prefeitos das obras e os exactores, e disseram ao povo: Assim diz Faraó: Não vos dou mais palha:

11. ide e juntai-a onde a puderdes encontrar: contudo, nem por isso se diminuirá alguma coisa da vossa tarefa.

12. O povo, pois, espalhou-se por toda a terra do Egipto a juntar palha.

13. Os prefeitos das obras justavam com eles, dizendo: Completai o vosso trabalho todos os dias, como antes costumáveis fazer, quando vos davam a palha.

14. Foram castigados os escribas dos filhos de Israel que os exactores tinham colocado à frente deles. Diziam-lhes: Por que não completastes vós nem ontem nem hoje a mesma quantidade de tejolos que (fazíeis) antes?

15. Então os que presidiam aos filhos de Israel foram e gritaram a Faraó, dizendo: Por que tratas assim os teus servos?

16. Não nos fornecem a palha, e exigem a mesma quantidade de tejolos; eis que nós teus servos somos batidos com açoutes, e injustamente se procede contra o teu povo.

17. Ele disse: Estais ociosos, e por isso dizeis: Vamos a sacrificar ao Senhor.

18. Ide, pois, e trabalhai: não se vos dará palha, e entregareis o número costumado de tejolos.

19. Os escribas dos filhos de Israel viam-se em má situação, porque lhes diriam: Nada se diminuirá (do número) dos tejolos (que haveis de dar) cada dia.

20. Saindo da presença de Faraó, encontraram Moisés e Aarão, que esperavam perto de lá,

21. e disseram-lhes: O Senhor veja e julgue, pois vós nos tornastes odiosos aos olhos de Faraó e de seus servos, e lhe metestes a espada na mão para nos matar.

22. Moisés voltou-se para o Senhor e disse: Senhor, por que afligiste este povo? Por que me enviaste?

23. Desde que eu me apresentei a Faraó para lhe falar em teu nome, ele atormentou o teu povo, e tu não o libertaste.





“Mesmo quando perdemos a consciência deste mundo, quando parecemos já mortos, Deus nos dá ainda uma chance de entender o que é realmente o pecado, antes de nos julgar. E se entendemos corretamente, como podemos não nos arrepender?” São Padre Pio de Pietrelcina