1. Quanto ao mais, irmãos, orai por nós para que a palavra do Senhor se propague e seja glorificada, como é entre vós,

2. e para que sejamos livres dos homens importunos e maus, porque a fé não é de todos (porque nem todos querem ouvir ou pôr em prática o Evangelho). (ver nota)

3. Mas Deus é fiel: ele vos confirmará e guardará do (espírito) maligno.

4. Confiamos no Senhor, quanto a vós, que fazeis e continuareis a fazer o que vos mandamos.

5. O Senhor, pois, dirija os vossos corações no amor de Deus e na paciência de Cristo.

6. Nós vos ordenamos, irmãos, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo o irmão que viver na preguiça, e não segundo a doutrina que foi recebida de nós.

7. Em realidade, vós mesmos sabeis como deveis imitar-nos, pois que não vivemos preguiçosos entre vós,

8. nem comemos de graça o pão de ninguém, mas com trabalho e fadiga, trabalhando de noite e de dia, para não sermos pesados a nenhum de vós.

9. Não porque não tivéssemos direito a isso, mas para vos dar em nós mesmos um modelo a imitar,

10. Desta sorte, quando ainda estávamos convosco, vos declarávamos que, se alguém não quer trabalhar, também não coma.

11. Ouvimos dizer que alguns entre vós são preguiçosos, nada fazendo, mas ocupando-se em coisas vãs;

12. a estes, pois, que assim procedem, ordenamos e rogamos no Senhor Jesus Cristo que, trabalhando pacificamente, comam o pão assim ganhado.

13. E vós, irmãos, não vos canseis nunca de fazer bem.

14. Se algum não obedece ao que ordenamos pela nossa carta, notai-o e não tenhais comércio com ele, a fim de que se envergonhe;

15. não o considereis todavia como um inimigo, mas adverti-o (caridosamente) como irmão.

16. O mesmo Senhor de paz vos dê a paz, sempre e por todas as formas. O Senhor seja com todos vós.

17. A saudação é de minha própria mão, de mim Paulo. É esta a minha assinatura em todas as minhas cartas. É assim que eu escrevo.

18. A graça de Nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós.





“O amor e o temor devem sempre andar juntos. O temor sem amor torna-se covardia. São Padre Pio de Pietrelcina