1. Ora Isaac envelheceu, a vista escureceu-se-lhe e não podia ver. Chamou Esaú, seu filho mais velho, e disse-lhe: Meu filho! Ele respondeu: Aqui estou.

2. O pai disse-lhe: Tu vês que estou velho e que ignoro o dia da minha morte.

3. Toma as tuas armas, a aljava e o arco, e sai (ao campo); quando tiveres caçado alguma coisa,

4. faze-me um guisado como sabes que eu gosto, traze-mo para eu comer, e (para que) a minha alma te abençoe antes de eu expirar.

5. Rebeca ouviu isto, e, tendo Esaú ido para o campo para cumprir o mandato do pai,

6. disse a seu filho Jacob: Ouvi teu pai falar com Esaú, teu irmão, e dizer-lhe:

7. Traze-me da tua caça, e faze-me um guisado para eu comer e (para que) te abençoe na presença do Senhor antes de morrer.

8. Agora, pois, meu filho, segue os meus conselhos:

9. Vai ao rebanho, traze-me os dois melhores cabritos, para que eu faça deles a teu paí (um daqueles) pratos, de que ele come com vontade,

10. a fim de que, quando lho apresentares e ele tiver comido, te abençoe antes de morrer.

11. Ele respondeu: Tu sabes que Esaú, meu irmão, é um homem peludo, e eu não;

12. se meu pai me apalpar e me reconhecer, temo que ele julgue que eu o quis enganar, e que assim eu atraia sobre mim a maldição em lugar de bênção.

13. Sua mãe disse-lhe: Sobre mim caia essa maldição, meu filho: ouve somente a minha voz, e, partindo, traze o que eu disse.

14. Ele foi, trouxe (os cabritos) e deu-os a sua mãe. Ela preparou o guisado, como sabia ser do gosto do pai dele.

15. Vestiu Jacob com a melhor roupa de Esaú, que tinha junto de si, em casa;

16. com as peles dos cabritos envolveu-lhe as mãos, e cobriu a parte nua do pescoço. (ver nota)

17. Deu-lhe o guisado, e entregou-lhe os pães que tinha cozido.

18. Jacob, tendo levado tudo a Isaac, disse-lhe: Meu pai! Ele respondeu: Aqui estou. Quem és tu, meu filho?

19. Jacob disse: Sou o teu filho primogênito, Esaú; fiz como me ordenaste: levanta-te, senta-te e come da minha caçada, afim de que tua alma me abençoe.

20. Isaac disse outra vez a seu filho: Como pudeste encontrar tão depressa, meu filho? Ele respondeu: Foi vontade de Deus que depressa se me apresentasse o que eu queria.

21. Isaac disse; Chega-te aqui, meu filho, para que eu te apalpe e reconheça se és o meu filho Esaú, ou não.

22. Aproximou-se do pai que, tendo-o apalpado, disse: A voz verdadeiramente é a voz de Jacob, mas as mãos são as mãos de Esaú.

23. E não o conheceu, porque as mãos peludas eram semelhantes às do mais velho. Portanto, abençoando-o,

24. disse: Tu és o meu filho Esaú? Respondeu: Sou.

25. Isaac disse; Serve-me os guisados da tua caçada, meu filho, para que a minha alma te abençoe. Jacob serviu-lhos, e, depois de ele comer, ofereceu-lhe também vinho, bebido o qual,

26. (Isaac) lhe disse: Aproxima-te de mim e dá-mé um beijo, meu filho.

27. Aproximou-se e beijou-o. Logo que Isaac sentiu a fragrância de seus vestidos, abençoando-o, disse: Eis que o perfume de meu filho é como o perfume dum campo florido que o Senhor abençoou. (ver nota)

28. Deus te dê do orvalho do céu, da fertilidade da terra, e abundância de trigo e de vinho!

29. Que os povos te sirvam, e as nações te reverenciem; sê o Senhor de teus irmãos, e inclinem-se diante de ti os filhos de tua mãe. Aquele que te amaldiçoar, Seja amaldiçoado, e o que te abençoar, seja cumulado de bênçãos

30. Apenas Isaac tinha acabado de dar a bênção, e Jacob tinha saído, chegou Esaú. (ver nota)

31. Levou ao pai os guisados preparados da sua caçada, dizendo: Levanta-te, meu pai, e come da caça de teu filho, para que a tua alma me abençoe.

32. Isaac disse-lhe: Mas quem és tu? Ele respondeu: Sou o teu filho primogénito Esaú.

33. Isaac, possuído de uma violenta emoção, disse: Quem é, pois, aquele que há pouco me trouxe a caça que apanhou? Comi de tudo antes que tu viesses. abençoei-o, e ele será bendito.

34. Esaú, ouvidas as palavras do pai, gritou com grande clamor, e, consternado, disse: Dá-me também a mim a bênção, meu pai.

35. Ele disse: O teu irmão veio fraudulentamente e recebeu e tua bênção.

36. Esaú prosseguiu: com razão lhe foi posto o nome de Jacob, porque pela segunda vez me suplantou: Primeiro, tirou-me o direito da primogenitura, e, agora, novamente me roubou a minha bênção. Disse de novo ao pai: Porventura não reservaste uma bênção também para mim?

37. Isaac respondeu: Eu o constitui teu senhor, e sujeitei à sua servidão todos os seus irmãos: estabeleci-o na posse do trigo e do vinho; depois disto, meu filho, que te posso eu fazer?

38. Esaú disse-lhe: Porventura ó pai, tens uma só bênção? Rogo-te que me abençoes também a mim. E, como rompesse num grande pranto,

39. Isaac, comovido, disse-lhe: Sem a abundância da terra, e sem o orvalho do alto do céu será a tua bênção.

40. Viverás da espada, e servirás a teu irmão; porém virá tempo em que sacudas e desates o seu jugo da tua cerviz.

41. Por isso Esaú odiou Jacob por causa da bênção com que o pai o abençoara, e disse no seu coração: Virão os dias do luto por meu pai, e eu matarei Jacob, meu irmão.

42. Estas coisas foram referidas a Rebeca, a qual, mandando chamar seu filho Jacob, lhe disse: Eis que Esaú, teu irmão, ameaça que te há-de matar.

43. Agora, pois, meu filho, ouve a minha voz, e foge ligeiro para (casa de) Labão, meu irmão, em Haran;

44. habitarás com ele algum tempo, até que se aplaque o furor do teu irmão,

45. cesse a sua cólera e se esqueça do que lhe fizeste: depois mandarei (lá alguém), e te farei conduzir de lá para aqui. Por que hei-de eu perder ambos os meus filhos num só dia?

46. E Rebeca disse a Isaac: Estou desgostosa da vida por causa das filhas de Heth, se Jacob tomar mulher da linhagem desta terra, não quero mais viver.





“De todos os que vierem pedir meu auxílio, nunca perderei nenhum!” São Padre Pio de Pietrelcina