1. Depois Eliú prosseguiu nestes termos:

2. “Espera um pouco e te instruirei. Tenho ainda palavras em defesa de Deus.

3. Vou buscar longe a minha ciência, para justificar aquele que me criou.

4. Pois minhas palavras não são certamente mentirosas e estás tratando com um homem de ciência sólida.

5. Deus é poderoso, mas não é arrogante, é poderoso por sua ciência.

6. Não deixa o ímpio viver, mas faz justiça aos oprimidos.

7. Não tira seus olhos do justo e os faz assentar no trono com os reis, numa glória eterna.

8. Se forem presos em grilhões e atados com os laços da pobreza,

9. ele lhes fará conhecer as suas obras e as faltas que cometeram por orgulho.

10. Abre-lhes os ouvidos para corrigi-los e diz-lhes que renunciem à iniquidade.

11. Se escutarem e obedecerem, terminarão seus dias na felicidade e seus anos em delícias.

12. Mas se não o escutarem, morrerão de um golpe e expirarão por falta de sabedoria.

13. Os ímpios de coração são entregues à cólera e não clamam a Deus quando ele os aprisiona.

14. Por isso morrem em plena mocidade e sua vida passa como a dos efeminados.*

15. Mas Deus salvará o pobre pela sua miséria e o instrui pelo sofrimento.

16. A ti também ele retirará das fauces a angústia, numa larga liberdade e no repouso de uma mesa bem guarnecida.*

17. Mas tu te comportas como um malvado, com o risco de incorrer em sentença e penalidade.

18. Toma cuidado para que a cólera não te inflija um castigo e que o tamanho do resgate não te perca.

19. Acaso levará ele em conta teu grito na aflição e todos os esforços do vigor?

20. Não suspires pela noite da morte, que arrebata os povos de seu lugar!

21. Guarda-te de declinar para a iniquidade, e de preferir a injustiça ao sofrimento.

22. Vê, Deus é sublime em seu poder! Que senhor lhe é comparável?

23. Quem lhe fixou seus caminhos? Quem pode dizer-lhe: ‘Fizeste mal?’.

24. Antes lembra-te de glorificar sua obra, que a humanidade celebra em seus cânticos.

25. Todos os homens a contemplam, mas cada um a considera de longe.

26. Deus é grande demais para que o possamos conhecer; o número de seus anos é incalculável.

27. Atrai as gotinhas de água para transformá-las em chuva no nevoeiro.

28. As nuvens espalham essas águas e as destilam sobre a multidão humana.

29. Quem pode compreender como se expandem as nuvens e o estrépito que sai de sua tenda?*

30. Espalha à sua volta sua luz e encobre as profundezas do mar.

31. É por esse meio que governa os povos e fornece-lhes abundante alimento.

32. Nas suas mãos esconde o raio e fixa-lhe o alvo a atingir.

33. O seu estrondo o anuncia e o rebanho também pressente aquele que se aproxima.

Bíblia Ave Maria - Reservados todos los derechos.

36,14. Como a dos efeminados: trata-se dos prostitutos sagrados destinados, por causa de seus vícios, a uma morte precoce. Ver Dt 23,18.

36,16. A passagem 16-21 é um texto fortemente alterado, do qual é impossível encontrar-se o sentido. Foram tentadas muitas substituições, sendo que nenhuma ainda satisfez.

36,29. Estrépito: o trovão.




“O meu passado, Senhor, à Tua misericórdia. O meu Presente, ao Teu amor. O meu futuro, à Tua Providência.” São Padre Pio de Pietrelcina