1. Palavra do Senhor dirigida a Oseias, filho de Beeri, no tempo de Ozias, de Joatã, (de Acaz e de Ezequias), reis de Judá, e no tempo de Jeroboão, filho de Joás, rei de Israel.

2. Início da palavra do Senhor a Oseias. Disse o Senhor a Oseias: “Vai e desposa uma mulher dada ao adultério, e aceita fi­lhos adulterinos, porque a nação procedeu mal para com o Senhor”.*

3. Foi-se ele e desposou Gomer, filha de Deblaim. Esta concebeu e deu-lhe um filho.

4. O Senhor disse a Oseias: “Chama-o Jezrael, porque dentro em breve punirei a casa de Jeú pelos massacres de Jezrael, e porei fim à dinastia da casa de Israel.*

5. Naquele dia, quebrarei o arco de Israel na planície de Jezrael”.

6. Ela concebeu de novo e deu à luz uma filha. O Senhor disse a Oseias: “Chama-a Lo-Ruhama, porque não terei mais amor à casa de Israel, mas a exterminarei completamente”.*

7. Amarei, entretanto, a casa de Judá e os salvarei pelo Senhor, seu Deus. Não os salvarei pelo arco e pela espada e pela guerra, nem pelos cavalos e cavaleiros.

8. Tendo desmamado Lo-Ruhama, concebeu de novo e deu à luz um filho.

9. O Senhor disse: “Chama-o Lo-Ami, porque já não sois meu povo e eu não sou vosso Deus”.*

Bíblia Ave Maria - Tutti i diritti riservati.

1,2. Se a história do casamento de Oseias não é puramente alegórica, parece ter ele desposado uma mulher honesta, que lhe foi fiel por algum tempo, transviando-se em seguida, mas voltando finalmente ao arrependimento. Seu proceder para com Oseias é a imagem de Israel (o reino do Norte) para com o Senhor.

1,4. Jezrael: é o nome da planície de Esdrelão, campo de batalha onde pereceram muitos reis; nome também da cidade onde Acab tinha estabelecido sua residência e onde Jeú estabeleceu seu domínio pela carnificina contada em 2Rs 9-10.

1,6. Lo-Ruhama: significa Aquela de quem se não tem compaixão, ou que não inspira afeição.

1,7. Este parêntese relativo ao reino do Sul parece dever deslocar-se para o fim do cap. 2.

1,9. Lo-Ami: significa não meu povo. Ver a referência a toda a passagem em Rm 9,25s.




“Tenhamos sempre horror ao pecado mortal e nunca deixemos de caminhar na estrada da santa eternidade.” São Padre Pio de Pietrelcina