Talált 73 Eredmények: Páscoa

  • Nada deixarão dela para o dia seguinte, não quebrarão nenhum de seus ossos, e farão essa festa segundo todas as prescrições relativas à Páscoa. (Números 9, 12)

  • Mas se alguém, estando puro, não se encontrar em viagem e, todavia, não fizer a Páscoa, será cortado do seu povo, porque não apresentou a oferta do Senhor no tempo estabelecido; este levará a pena do seu pecado. (Números 9, 13)

  • Se o estrangeiro que mora no meio de vós fizer a Páscoa do Senhor, terá de se conformar às leis e às prescrições relativas à Páscoa. Haverá uma só lei, que será a mesma para vós, para o estrangeiro e para o natural”. (Números 9, 14)

  • No décimo quarto dia do primeiro mês será a Páscoa do Senhor. (Números 28, 16)

  • No décimo quinto dia do primeiro mês partiram de Ramsés. Isso foi no dia seguinte à Páscoa; partiram com a mão levantada, à vista de todos os egípcios (Números 33, 3)

  • “No mês das espigas, cuida de celebrar a Páscoa em honra do Senhor, teu Deus, porque foi nesse mês que ele te fez sair do Egito, durante a noite. (Deuteronômio 16, 1)

  • Não poderás imolar a Páscoa em qualquer das moradas que o Senhor, teu Deus, te há de dar; (Deuteronômio 16, 5)

  • mas somente no lugar que o Senhor, teu Deus, tiver escolhido para aí ha­bitar o seu nome, é que imolarás a Páscoa, à tarde, depois do pôr do sol, à hora em que saíste do Egito. (Deuteronômio 16, 6)

  • Os israelitas acamparam em Gálgala, e celebraram a Páscoa no décimo quarto dia do mês, pela tarde, na planície de Jericó. (Josué 5, 10)

  • No dia seguinte à Páscoa, comeram os produtos da região, pães sem fermento e trigo tostado. (Josué 5, 11)

  • O rei deu esta ordem a todo o povo: “Celebrareis a Páscoa em honra do Senhor, vosso Deus, segundo as prescrições do Livro da Aliança”. (II Reis 23, 21)

  • Jamais se celebrou Páscoa semelhante, desde a época dos juízes que tinham regido Israel e durante todo o tempo dos reis de Israel e de Judá. (II Reis 23, 22)


“Queira o dulcíssimo Jesus conservar-nos na Sua graça e dar-nos a felicidade de sermos admitidos, quando Ele quiser, no eterno convívio…” São Padre Pio de Pietrelcina