1. No primeiro dia da semana, foi Maria Madalena ao sepulcro, de manhã, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do sepulcro.

2. Correu, então, e foi ter com Simão Pedro e com o outro discípulo, a quem Jesus amava, e disse-lhes: "Levaram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram."

3. Partiu, pois, Pedro com o outro discípulo, e foram ao sepulcro.

4. Corriam ambos juntos, mas o outro discípulo corria mais do que Pedro, e chegou primeiro ao sepulcro.

5. Tendo-se inclinado, viu os lençóis postos no chão, mas não entrou.

6. Chegou depois Simão Pedro, que o seguia, entrou no sepulcro e viu os lençóis postos no chão,

7. e o sudário que estivera sobre a cabeça de Jesus, o qual não estava com os lençóis, mas dobrado num lugar à parte.

8. Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao sepulcro. Viu e creu.

9. Com efeito, ainda não entendiam a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.

10. Depois os discípulos voltaram para sua casa.

11. Entretanto Maria (Madalena) conservava-se da parte de fora do sepulcro, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se para o sepulcro

12. e viu dois anjos vestidos de branco, sentados no lugar onde fora posto o corpo de Jesus, um à cabeceira, outro aos pés.

13. Eles disseram-lhe; "Mulher, porque choras?" Respondeu-lhes: "Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram."

14. Ditas estas palavras, voltou-se para trás, e viu Jesus de pé, mas não sabia que era Jesus.

15. Jesus disse-lhe: "Mulher, por que choras? A quem procuras?" Ela, julgando que era o hortelão, disse-lhe: "Senhor se tu o levaste, dize-me onde o puseste; eu irei buscá-lo."

16. Jesus disse-lhe: "Maria!" Ela, voltando-se, disse-lhe em hebreu: Rabbouni! (que quer dizer Mestre).

17. Jesus disse-lhe: "Não me retenhas, porque ainda não subi para meu Pai; mas vai a meus irmãos e dize-lhes que subo para meu Pai, e vosso Pai, para o meu Deus, e vosso Deus."

18. Foi Maria Madalena dar a nova aos discípulos: "Vi o Senhor, e ele disse-me estas coisas."

19. Chegada a tarde daquele mesmo dia, que era o primeiro da semana, e estando fechadas as portas da casa onde os discípulos se achavam juntos, com medo dos Judeus, foi Jesus, pôs-se no meio deles e disse-lhes: "A paz seja convosco!"

20. Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos alegraram-se muito ao ver o Senhor.

21. Ele disse-lhes novamente: "A paz seja convosco. Assim como o Pai me enviou, também vos envio a vós."

22. Tendo proferido estas palavras, soprou sobre eles e disse-lhes: "Recebei o Espírito Santo. (ver nota)

23. Aqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos."

24. Tomé, um dos doze, chamado Dídimo, não estava com eles, quando Jesus veio.

25. Os outros discípulos disseram-lhe: "Nós vimos o Senhor." Mas ele respondeu-lhes: "Se não vir nas suas mãos a abertura dos cravos, se não meter o meu dedo no lugar dos cravos e não meter a minha mão no seu lado, não crerei."

26. Oito dias depois, estavam os discípulos outra vez em casa, e Tomé com eles. Veio Jesus, estando as portas fechadas, pôs-se no meio deles e disse: "A paz seja convosco."

27. Em seguida disse a Tomé: "Mete aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos, aproxima também a tua mão e mete-a no meu lado; e não sejas incrédulo, mas fiel."

28. Tomé respondeu-lhe: "Meu Senhor e meu Deus!"

29. Jesus disse-lhe: "Tu creste, Tomé, porque me viste; bem-aventurados os que crerem sem ter visto."

30. Outros muitos prodígios fez ainda Jesus na presença de seus discípulos, que não foram escritos neste livro.

31. Estes, porém, foram escritos a fim de que acrediteis que Jesus é o Cristo, Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.





“Que Nossa Senhora aumente a graça em você e a faça digna do Paraíso”. São Padre Pio de Pietrelcina