1. Porquanto eis que, naqueles dias, no tempo em que eu realizar a restauração de Judá e de Jerusalém,*

2. reunirei todas as nações e as farei descer ao vale de Josafá. Ali entrarei com elas em juízo acerca de Israel, meu povo e minha herança, o qual dispersaram pelas nações pagãs, depois de dividir minha terra.*

3. Rifaram o meu povo; davam um menino para pagar uma cortesã, e vendiam uma jovem em troca de vinho para beberem!*

4. E vós, que quereis de mim, Tiro e Sidônia? E vós, distritos da Filisteia? Quereis, por acaso, tirar vingança de mim? Mas se é uma provocação, farei cair imediatamente sobre vossa cabeça a vossa provocação,

5. porque roubastes minha prata e meu ouro, levastes para os vossos templos minhas joias mais preciosas;

6. vendestes aos gregos os filhos de Judá e os filhos de Jerusalém, que foram assim deportados para longe de sua pátria.*

7. Eis que vou reconduzi-los do lugar em que vós os vendestes, e farei recair sobre vossas cabeças vossos próprios atos.

8. Venderei vossos filhos e vossas filhas aos judeus, e estes os venderão aos sabeus, povo longínquo; é o Senhor quem o declara.*

9. Proclamai isto entre as nações: Declarai a guerra! Chamai os valentes! Aproximem-se, subam todos os guerreiros!

10. Os vossos arados, transformai-os em espadas, e as vossas foices, em lanças! Mesmo o enfermo diga: “Eu sou guerreiro!”.*

11. Depressa, nações! Vinde todas: reuni-vos de toda parte! Ó Senhor, fazei descer ali os vossos valentes!

12. De pé, nações! Subi ao vale de Josafá, porque é ali que vou sentar-me para julgar todos os povos ao redor!

13. Metei a foice, a messe está madura; vinde pisar, o lagar está cheio; as cubas transbordam – porque é imensa a maldade dos povos!*

14. Que multidão, que multidão no vale do Julgamento, porque chegou o dia do Senhor (no vale do Julgamento)!

15. O sol e a lua se obscurecem, as estrelas empalidecem.

16. O Senhor rugirá de Sião, trovejará de Jerusalém; os céus e a terra serão abalados. Mas o Senhor será um refúgio para o seu povo, uma fortaleza para os israelitas.

17. Sabereis então que eu sou o Senhor, vosso Deus, que habita em Sião, minha montanha santa. Jerusalém será um lugar sagrado onde os estrangeiros não tornarão a passar.

18. Naquele dia, as montanhas destilarão vinho, o leite manará das colinas; todas as torrentes de Judá jorrarão; uma fonte sairá do Templo do Senhor para irrigar o vale das Acácias.*

19. O Egito será todo assolado, Edom será um deserto devastado, por causa das violências cometidas contra os judeus, e por causa do sangue inocente derramado em seu solo;

20. mas Judá será habitado perpetuamente, e Jerusalém, de idade em idade.

21. Vingarei o seu sangue, que eu não tinha ainda vingado, e o Senhor habitará em Sião.

Bíblia Ave Maria - Sva prava pridržana.

4,1. A restauração. Entenda-se: uma restauração definitiva no fim dos tempos.

4,2. Josafá: termo a ser tomado no sentido simbólico; pensou-se mais tarde em situar esse vale perto de Jerusalém, mas o profeta parece querer significar somente: o vale do julgamento divino. Este foi daí em diante chamado vale de Josafá.

4,3. Cortesã... vinho: trocavam lucro de guerra (por exemplo, escravos) por aviltantes e ilícitas satisfações.

4,6. Gregos: literalmente filhos de Javã.

4,8. Sabeus: povo da Arábia.

4,10. Os vossos arados: é o inverso do oráculo messiânico de Is 2,4 e de Mq 4,3.

4,13. Metei: tudo isso é dito em sentido simbólico - é preciso colher a maldade dos pagãos. Ver em Ap 14,14-20, as mesmas expressões, para significar o julgamento.

4,18. Uma fonte: comparar Ez 47,1-12.




“A mansidão reprime a ira.” São Padre Pio de Pietrelcina