1. Deus disse a Jacó: “Vamos, sobe a Betel e fica ali, e levanta um altar nesse lugar ao Deus que se manifestou a ti, quando fugias diante de teu irmão Esaú”.

2. Jacó disse à sua família e à sua gente: “Tirai do meio de vós os deuses estrangeiros, purificai-vos e mudai vossos vestidos.

3. Vamos subir a Betel, onde levantarei um altar ao Deus que me ouviu no dia de minha aflição, e que esteve comigo durante minha viagem”.

4. Entregaram a Jacó todos os deuses estrangeiros que tinham, assim como os brincos que traziam nas orelhas, e Jacó enterrou-os debaixo de um tere­binto, perto de Siquém.

5. Partindo eles dali, Deus semeou o pânico nas cidades circunvizi­nhas, de sorte que não perseguiram os filhos de Jacó.

6. Chegou, portanto, Jacó com toda a sua gente à Luza, na terra de Canaã, hoje Betel.

7. Levantou ali um altar e deu a esse lugar o nome de El-Betel, porque foi ali que Deus lhe aparecera, quando fugia de seu irmão.

8. Foi então que morreu Débora, ama de Rebeca. E foi ali sepultada, ao pé de Betel, debaixo de um carvalho, ao qual se chamou Carvalho do Pranto.

9. Quando Jacó voltou de Padã-­Aram, Deus apareceu-lhe novamente e o abençoou.

10. “Teu nome – disse-lhe ele – é Jacó. Tu não te chamarás mais assim, mas Israel.” E chamou-o Israel.

11. Deus disse-lhe: “Eu sou o Deus Todo-poderoso. Sê fecundo e multiplica-te. De ti nascerão um povo e uma assembleia de povos; e de teus rins sairão reis.

12. A terra que dei a Abraão e a Isaac, darei a ti e à tua posteridade”.

13. Depois, Deus retirou-se de junto dele.

14. No mesmo lugar onde Deus lhe falou, Jacó erigiu uma estela sobre a qual fez uma libação e derramou óleo.*

15. E deu o nome de Betel ao lugar onde Deus lhe tinha falado.

16. E partiram de Betel. Quando estavam a pouca distância de Éfrata, Raquel deu à luz, e o seu parto foi penoso.

17. Durante as dores do parto, a parteira disse-lhe: “Não temas, porque ainda terás este filho”.

18. E, estando prestes a render a alma – porque estava já agonizante – ela chamou o filho de Benoni; o seu pai, porém, chamou-o Benjamim.*

19. Raquel expirou e foi sepultada no caminho de Éfrata, hoje Belém.

20. Jacó erigiu uma estela sobre seu túmulo; é a estela do túmulo de Raquel, que existe ainda hoje.

21. Israel partiu e plantou sua tenda além de Migdal-Eder.

22. Foi durante sua estada nessa região que Rúben foi dormir com Bala, concubina de seu pai, e Israel soube.

23. Os filhos de Jacó foram em número de doze. Filhos de Lia: Rúben, primogênito de Jacó, Simeão, Levi, Judá, Issacar e Zabulon.

24. Filhos de Raquel: José e Benjamim.

25. Filhos de Bala, escrava de Raquel: Dã e Neftali.

26. Filhos de Zelfa, escrava de Lia: Gad e Aser. Tais são os filhos nascidos a Jacó em Padã-Aram.

27. Jacó foi para junto de seu pai Isaac em Mambré, em Cariat-Arbe, hoje Hebron, onde tinham habitado Abraão e Isaac.

28. E todos os dias da vida de Isaac foram cento e oitenta anos.

29. E morreu. A morte reuniu-o aos seus, velho e saciado de dias. Esaú e Jacó, seus filhos, sepultaram-no.

Bíblia Ave Maria - Sva prava pridržana.

35,14. No mesmo lugar: este trecho de frase se encontra, no texto original, repetido no fim do v. 13.

35,18. Benoni: significa – filho de minha dor; Benjamim significa – filho da direita, sinal de bom augúrio.




O maldito “eu” o mantém apegado à Terra e o impede de voar para Jesus. São Padre Pio de Pietrelcina