1. Assim como eu, no primeiro ano do reinado de Dario, o medo, mantive-me junto a ele para auxiliá-lo e protegê-lo.”

2. “Agora vou manifestar-te a verdade. Haverá ainda três reis na Pérsia. O quarto ultrapassará todos os demais em riquezas. Quando suas riquezas o tiverem tornado poderoso, movimentará tudo contra o reino de Javã.*

3. Mas um rei forte se levantará e dominará sobre um vasto império e fará tudo quanto lhe aprouver.*

4. Quando ficar poderoso, seu reino será desmembrado e dividido aos quatro ventos do céu. Não passará à posteridade e não terá mais o mesmo poder; seu reino será desmem­brado e entregue a estranhos e não a seus descendentes.*

5. O rei do Sul se tornará poderoso, mas um dos chefes do seu exército ficará ainda mais forte e seu império será grande.*

6. Após alguns anos se aliarão: a filha do rei do Sul virá à casa do rei do Norte para fazer o acordo; mas ela não conservará o apoio de seu pai, cujo poder não se manterá, nem o do seu esposo. Ela será morta com aqueles que a tiverem trazido, aquele que a criou e aquele que a tinha feito poderosa.*

7. Um dos rebentos da mesma raiz se levantará em seu lugar; virá em direção do exército, entrará nas fortalezas do rei do Norte, irá atacá-lo e sairá vencedor.*

8. Levará para o Egito até mesmo seus deuses cativos, assim como seus ídolos e seus objetos preciosos de ouro e de prata. Depois, durante alguns anos, se absterá de atacar o rei do Norte.

9. Este virá contra o rei do Sul, mas voltará para a sua terra.

10. Mas seus filhos prepararão a guerra recrutando um exército numeroso, o qual, precipitando-se como uma torrente, invadirá e levará a batalha até a sua for­taleza.*

11. Irritado, o rei do Sul sairá pa­ra atacar o rei do Norte: como porá em campo um numeroso exército, as tropas inimigas lhe serão entregues.*

12. Após o aniquilamento desse exército, se encherá de orgulho. Mandará matar dezenas de milhares de homens, sem ficar mais forte por isso.

13. O rei do Norte organizará novamente um exército mais numeroso ainda que o primeiro, e alguns anos depois avançará em meio a enormes tropas e a um grandioso aparato.*

14. Nesse momento, muitos se levantarão contra o rei do Sul; homens violentos de teu povo se revoltarão para cumprir a visão, mas fracassarão.

15. O rei do Norte virá, então, destruirá trincheiras e tomará fortalezas. Os exércitos do rei do Sul, mesmo as suas tropas de elite, não se manterão; nada poderá resistir.*

16. O invasor agirá à sua vontade sem que ninguém possa enfrentá-lo e se deterá no país que é a joia da terra; e a destruição estará em suas mãos.

17. Empreenderá a conquista do reino do Sul; fará um pacto com seu rei e lhe dará sua filha como mulher, a fim de amenizar a ruína dessa terra; mas isso não dará resultado, e esse reino não lhe pertencerá.*

18. Depois se voltará contra as ilhas e tomará diversas. Porém, um chefe militar porá fim à sua soberba, e o fará pagar sua injúria.*

19. Então, ele se voltará contra as fortalezas de sua terra, mas tropeçará, cairá e acabará desaparecendo.

20. “No lugar deste último será colocado um príncipe, que enviará um fiscal ao país que é a joia da terra. Em poucos dias ele será aniquilado, e não será nem por efeito de cólera nem de batalha.”*

21. “Em seu lugar, um homem vil se elevará, sem nenhuma dignidade real, surgirá repentinamente e se apossará da realeza pelas suas intrigas.*

22. As tropas de invasão serão postas em fuga diante dele e aniquiladas, bem como o chefe da aliança.*

23. A despeito do pacto firmado com ele, agirá com perfídia: atacará e triun­fará com poucos homens.

24. Invadirá inesperadamente as regiões mais férteis da terra; fará o que nunca fizeram seus pais nem os antepassados deles: distribuirá com os seus os saques, despojos, riquezas; combinará ofensivas contra as fortalezas, mas apenas por um tempo.*

25. Dará novo impulso a suas forças e a seu valor, atacando o rei do Sul com um exército considerável. Por seu lado, o rei do Sul entrará na luta com um exército importante e valoroso, mas não poderá resistir, devido às intrigas urdidas contra ele.*

26. Seus comensais o aniquilarão; seu exército se dispersará e muitos homens cairão feridos mortalmente.

27. Com o coração repleto de desejos malévolos, os dois reis se enganarão mutuamente à volta da mesma mesa. Mas seus projetos fracassarão, porque o fim só virá no tempo determinado.

28. Volverá à sua terra com grandes riquezas. Seu coração meditará o mal contra a santa aliança; o cometerá, depois entrará novamente em sua terra.”*

29. “No tempo previsto atacará de novo o Sul: mas esta expedição não será seme­lhante à precedente.

30. Navios de Cetim o atacarão e ele desanimará. Dirigirá novamente sua fúria contra a santa aliança, tomará medidas contra ela, fazendo um pacto com aqueles que a abandonarem.*

31. Tropas sob sua ordem virão profanar o santuário, a fortaleza; farão cessar o holocausto perpétuo e instalarão a abominação do devastador.*

32. Submeterá, com suas lisonjas, os violadores da aliança, mas a multidão daqueles que conhecem seu Deus se manterá firme e resistirá.*

33. Os homens doutos desse povo instruirão um grande número; mas, durante algum tempo, perecerão pela espada, fogo, cativeiro e pilhagem.

34. Enquanto forem caindo dessa maneira, serão um tanto amparados; e um bom número se unirá hipocritamente a eles.*

35. Muitos desses sábios sucumbirão, a fim de que sejam provados, purificados e branqueados até o termo final; ora, esse final só chegará no tempo marcado.

36. O rei fará então tudo o que desejar. Ele se ensoberbecerá, se elevará no seu orgulho acima de qualquer divindade; proferirá até coisas inauditas contra o Deus dos deuses; prosperará até que a cólera divina tenha chegado ao seu termo, porque o que está decretado deverá ser executado.

37. Não respeitará nem os deuses de seus antepassados, nem a deusa querida das mulheres, nem divindade alguma; ele se julgará superior a todos.*

38. Mas venerará o deus das fortalezas, no próprio local, um deus desconhecido de seus antepassados, com ouro, prata, pedras preciosas e joias.*

39. Com o auxílio de um deus estranho, atacará as muralhas das fortalezas; aos que o reconhecerem, multiplicará as honras, ele lhes conferirá autoridade sobre numerosos vassalos e lhes distribuirá terras em recompensa.

40. No final, o rei do Sul e ele entrarão em luta. O rei do Norte cairá sobre ele, como um furacão, com carros, cavaleiros e uma frota considerável. Entrará na terra como uma torrente que transborda.*

41. Invadirá o país que é a joia da terra, onde muitos homens cairão. Mas os edomitas, os moabitas e a maioria dos amonitas lhe escaparão.*

42. Ele se apoderará de diferentes países; o Egito não lhe escapará.

43. Pilhará os tesouros de ouro e de prata bem como tudo o que houver de precioso no Egito. Os líbios e os etíopes se juntarão a ele.

44. Mas, alarmado pelas notícias vindas do Oriente e do Norte, se retirará como uma fúria, para destruir e exterminar uma multidão de povos.*

45. Erguerá os pavilhões de seu palácio entre o mar e a nobre montanha do santuário. Então, alcançará o termo de sua vida e ninguém lhe prestará socorro.”*

Bíblia Ave Maria - Sva prava pridržana.

11,2. Três reis: Ciro, Cambises Dario. O quarto será Xerxes (486-465 a.C.).

11,3. Um rei forte: Alexandre.

11,4. Descendentes: tendo sido suprimidos estes, o império passou aos generais do conquistador.

11,5. O rei do sul: Ptolomeu I, filho de Lagos, rei do Egito. Um dos chefes: Seleuco I Nicator, fundador do reino da Síria.

11,6. A filha: Berenice, filha de Ptolomeu II, casou com Antíoco II. De seu pai: literalmente de seu braço... nem o de seu próprio braço: Berenice foi assassinada pela primeira mulher de Antíoco II, após ter sido repudiada por ele.

11,7. Um rebento: Ptolomeu II Evergeta, irmão de Berenice. Vencedor: ele conquistou a Síria.

11,10. Seus filhos: sobretudo Antíoco III.

11,11. O rei do sul: Ptolomeu IV, que venceu seu rival em Rafia, na Palestina.

11,13. Novamente: segunda guerra de Antíoco III contra o Egito.

11,16. A joia: a Palestina, anexada por Antíoco III.

11,17. Sua filha: Cleópatra, casada com o rei do Egito Ptolomeu V. Ela tomou o partido do marido e do Egito, contra o pai.

11,18. As ilhas: as margens do Mediterrâneo. Um chefe militar: Lúcio Cornélio Cipião, o Asiático, vencedor de Antíoco em Magnésia.

11,19. Cairá: Antíoco III foi assassinado ao saquear um templo de seu país a fim de arranjar o dinheiro necessário para pagar suas dívidas de guerra.

11,20. Um príncipe: Seleuco IV, que mandou saquear o tesouro do templo por Heliodoro, e foi assassinado por este.

11,21. Vil: Antíoco IV Epífanes.

11,22. As tropas: as forças egípcias. Chefe da aliança: o sumo-sacerdote Onias III, deposto e assassinado pelo tirano.

11,24. Invadirá: ocupação da Palestina por Antíoco IV.

11,25. O rei do sul: Ptolomeu VI, do Egito.

11,28. Santa aliança: o povo judeu. Cometê-lo-á: o sangue do templo de Jerusalém. Ver 1Mc 1,20-38.

11,30. Cetim: ilha de Chipre; mas, por extensão, todos os ribeirinhos do Mediterrâneo: trata-se aqui da frota romana.

11,31. Abominação: uma estátua de Zeus Olímpico foi colocada no templo de Jerusalém por ordem de Antíoco IV.

11,32. Resistirá: revolta dos Macabeus.

11,34. Um tanto amparados: ver 1Mc 3, assim como, sobre toda essa perseguição, 1Mc 1,50-64; 2,29-48.

11,37. Deusa: diversas divindades podem ser propostas; todavia, não se pode decidir com exatidão de qual delas se trata aqui.

11,38. Deus das fortalezas: Júpiter Capitolino, que Antíoco cultuava enviando presentes ao seu templo, em Roma.

11,40. Cairá: expedição contra Ptolomeu Filon, da qual somente o historiador Porfírio fala.

11,41. Escaparão: porque eram inimigos dos judeus.

11,44. Alarmado: desordens causadas pelos partos e armênios.

11,45. Alcançará o termo: Antíoco morre na Pérsia, em 164.




“Combata vigorosamente, se está interessado em obter o prêmio destinado às almas fortes.” São Padre Pio de Pietrelcina