1. Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reu­nidos no mesmo lugar.*

2. De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados.

3. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo, que se repartiram e pousaram sobre cada um deles.

4. Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.

5. Achavam-se então em Jerusalém judeus piedosos de todas as nações que há debaixo do céu.

6. Ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua.

7. Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: “Não são, porventura, galileus todos estes que falam?

8. Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna?

9. Partos, medos, elamitas; os que habitam a Mesopotâmia, a Judeia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia,*

10. a Frígia, a Panfília, o Egito e as províncias da Líbia próximas a Cirene; peregrinos romanos,

11. judeus ou prosélitos, cretenses e árabes; ouvimo-los publicarem em nossas línguas as maravilhas de Deus!”.*

12. Estavam, pois, todos atônitos e, sem saber o que pensar, perguntavam uns aos outros: “Que significam estas coisas?”.

13. Outros, porém, escarnecendo, diziam: “Estão todos embriagados de vinho doce”.

14. Pedro, então, pondo-se de pé em companhia dos Onze, com voz forte lhes disse: “Homens da Judeia e vós todos que habitais em Jerusalém: seja-vos isto conhecido e prestai atenção às mi­nhas palavras.

15. Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, visto não ser ainda a hora terceira do dia.*

16. Mas cumpre-se o que foi dito pelo profeta Joel:

17. Acontecerá nos últimos dias – é Deus quem fala –, que derramarei do meu Espírito sobre todo ser vivo: profetizarão os vossos filhos e as vossas filhas. Os vossos jovens terão visões, e os vossos anciãos sonharão.

18. Sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei naqueles dias do meu Espírito e profetizarão.

19. Farei aparecer prodígios em cima, no céu, e milagres embaixo, na terra: sangue, fogo e vapor de fumaça.

20. O sol se converterá em trevas e a lua em sangue, antes que venha o grande e glorioso dia do Senhor.

21. E, então, todo o que invocar o nome do Senhor será salvo (Jl 3,1-5)”.

22. “Israelitas, ouvi estas palavras: Jesus de Naza­ré, homem de quem Deus tem dado testemunho diante de vós com milagres, prodígios e sinais que Deus por ele realizou no meio de vós como vós mesmos o sabeis,

23. depois de ter sido entregue, segundo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de ímpios.

24. Mas Deus o ressuscitou, rompendo os gri­lhões da morte, porque não era possível que ela o retivesse em seu poder.

25. Pois dele diz Davi: Eu via sempre o Senhor perto de mim, pois ele está à minha direita, para que eu não seja abalado.

26. Alegrou-se por isso o meu coração e a minha língua exultou. Sim, também a minha carne repousará na esperança,

27. pois não deixarás a minha alma na região dos mortos, nem permitirás que o teu Santo conheça a corrupção.

28. Fizeste-me conhecer os caminhos da vida, e me encherás de alegria com a visão de tua face (Sl 15,8-11).

29. Irmãos, seja permitido dizer-vos com franqueza: do patriar­ca Davi dizemos que morreu e foi sepultado, e o seu sepulcro está entre nós até o dia de hoje.

30. Mas ele era profeta e sabia que Deus lhe havia jurado que um dos seus descendentes seria colocado no seu trono.

31. É, portanto, a ressurreição de Cristo que ele previu e anunciou por estas palavras: Ele não foi abandonado na região dos mortos, e sua carne não conheceu a corrupção.

32. A este Jesus, Deus o ressuscitou: do que todos nós somos testemu­nhas.

33. Exaltado pela direita de Deus, havendo recebido do Pai o Espírito Santo prometido, derramou-o como vós vedes e ouvis.

34. Pois Davi pessoal­mente não subiu ao céu, todavia diz: O Senhor disse a meu Senhor: Senta-te à minha direita

35. até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés (Sl 109,1).

36. Que toda a casa de Israel saiba, portanto, com a maior certeza de que este Jesus, que vós crucificastes, Deus o constituiu Senhor e Cristo.”*

37. Ao ouvirem essas coisas, ficaram com­pun­gidos no íntimo do coração e indagaram de Pedro e dos demais apóstolos: “Que devemos fazer, irmãos?”.

38. Pedro lhes respondeu: “Arre­pen­dei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo,

39. pois a promessa é para vós, para os vossos filhos e para todos os que ouvirem de longe o apelo do Senhor, nosso Deus”.*

40. Ainda com muitas outras palavras exortava-os, dizendo: “Salvai-vos do meio dessa geração perversa!”.

41. Os que receberam a sua palavra foram batizados. E naquele dia elevou-se a mais ou menos três mil o número de adeptos.

42. Perseveravam eles na doutrina dos apóstolos, nas reuniões em comum, na fração do pão e nas orações.*

43. De todos eles se apoderou o temor, pois pelos apóstolos foram feitos também muitos prodígios e milagres em Jerusalém, e o temor estava em todos os corações.

44. Todos os fiéis viviam unidos e tinham tudo em comum.

45. Vendiam as suas propriedades e os seus bens, e dividiam-nos por todos, segundo a necessidade de cada um.

46. Unidos de coração, frequentavam todos os dias o templo. Partiam o pão nas casas e tomavam a comida com alegria e singeleza de coração,

47. louvando a Deus e cativando a simpatia de todo o povo. E o Senhor cada dia lhes ajuntava outros, que estavam a caminho da salvação.*

Bíblia Ave Maria - Tous droits réservés.

2,1. Pentecostes ou festa da Messe, celebrada pelos judeus sete semanas depois da Páscoa, no 50o dia. Pentecostes, em grego, significa quinquagésimo (dia).

2,9. Partos, medos, elamitas: habitantes da Pártia, da Média e do Elam, territórios situados entre o mar Cáspio e o golfo Pérsico. Frígia e Panfília, Capadócia e Ponto: hoje territórios da Turquia asiática.

2,11. Os prosélitos: chamados alhures tementes a Deus. Eram pagãos que tinham abraçado, ao menos parcialmente, a religião do povo judaico.

2,15. Hora terceira: às nove horas da manhã.

2,36. Cristo: significa – Messias.

2,39. A promessa: ou seja, a salvação por Jesus Cristo.

2,42. Fração do pão: o rito eucarístico, ou a memória da Paixão de Jesus, instituída na última Ceia, era praticada por ocasião da refeição comum.

2,47. A caminho: literalmente – aqueles que eram salvos.




“O temor e a confiança devem dar as mãos e proceder como irmãos. Se nos damos conta de que temos muito temor devemos recorrer à confiança. Se confiamos excessivamente devemos ter um pouco de temor”. São Padre Pio de Pietrelcina