1. Naquele mesmo tempo o rei Herodes mandou prender alguns membros da Igreja para os maltratar.

2. Matou à espada Tiago, irmão de João.

3. Vendo que isso agradava aos Judeus, mandou também prender Pedro. Eram então os dias dos ázimos.

4. Tendo-o mandado prender, meteu-o na prisão, dando-o a guardar a quatro piquetes de quatro soldados cada um, tendo intenção de o apresentar ao povo depois da Páscoa.

5. Pedro, pois, estava guardado no cárcere. Entretanto a Igreja fazia sem cessar oração a Deus por ele.

6. Ora, na mesma noite em que Herodes estava para o apresentar (ao povo), Pedro dormia entre dois soldados, ligados com duas cadeias; e os guardas à porta vigiavam a prisão.

7. De repente sobreveio um anjo do Senhor, e resplandeceu uma luz no aposento. O anjo, batendo no lado de Pedro, despertou-o, dizendo: "Levanta-te depressa." E caíram as cadeias das suas mãos.

8. O anjo disse-lhe: "Toma o teu cinto e calça as tuas sandálias." Ele assim fez. E disse-lhe: "Põe sobre ti a tua capa e segue-me."

9. Ele, saindo, seguia-o sem dar conta de que era realidade o que se fazia por intervenção do anjo, antes julgava ter uma visão.

10. Depois de passarem a primeira e a segunda guarda, chegaram à porta de ferro, que dá para a cidade, a qual se lhes abriu por si mesma. Saindo, passaram uma rua, e imediatamente, o anjo afastou-se dele.

11. Então Pedro, voltando a si, disse: "Agora sei verdadeiramente que o Senhor mandou o seu anjo e me livrou da mão de Herodes e de tudo o que esperava o povo dos Judeus."

12. Depois de um momento de reflexão, foi a casa de Maria, mãe de João, que tem por sobrenome Marcos, onde estavam muitos reunidos em oração.

13. Tendo ele batido à porta da entrada, uma donzela, chamada Rode, foi escutar.

14. Logo que reconheceu a voz de Pedro, com a alegria, não lhe abriu (logo) a porta, mas, correndo dentro, deu a nova de que Pedro estava à porta.

15. Eles, porém, disseram-lhe: "Estás louca." Mas ela afirmava que era assim. Eles diziam: "É o seu anjo." (ver nota)

16. Entretanto Pedro continuava a bater. Tendo aberto (a porta ), viram-no e ficaram estupefactos.

17. Ele, porém, tendo-lhes feito sinal com a mão para que se calassem, contou-lhes de que modo o Senhor o tinha livrado da prisão. Disse: "Fazei saber isto a Tiago e aos irmãos." Depois, tendo saído, foi para outra parte.

18. Ora, quando foi dia, houve não pequena perturbação entre os soldados, sobre o que tinha sido feito de Pedro.

19. Herodes, tendo-o mandado buscar, e não o encontrando, feito inquérito a respeito dos guardas, mandou-os conduzir (ao suplício). Depois, passando da Judeia a Cesareia, aí habitou.

20. Ora (Herodes) estava em conflito com os de Tiro e de Sidónia. Mas estes, de comum acordo, foram ter com ele, e, com o favor de Blasto, camareiro do rei, pediram paz, porque das terras do rei é que o seu país recebia a subsistência.

21. No dia marcado, Herodes, vestido de traje real, sentou-se sobre o trono e arengava-lhes.

22. E o povo o aplaudia, dizendo: "É voz de um deus, e não de um homem!"

23. Porém subitamente o anjo do Senhor o feriu, porque não tinha dado glória a Deus, e, roído de vermes, expirou.

24. Entretanto a palavra do Senhor crescia e multiplicava-se.

25. Barnabé e Saulo, tendo concluído o seu ministério, voltaram de Jerusalém, levando consigo João, que tem por sobrenome Marcos.





“Quanto maiores forem os dons, maior deve ser sua humildade, lembrando de que tudo lhe foi dado como empréstimo.”(Pe Pio) São Padre Pio de Pietrelcina