1. Três dias depois, celebravam-se bodas em Caná da Galileia, e achava-se ali a mãe de Jesus.

2. Também foram convidados Jesus e os seus discípulos.

3. Como viesse a faltar vinho, a mãe de Jesus disse-lhe: “Eles já não têm vinho”.

4. Respondeu-lhe Jesus: “Mulher, isso compete a nós? Minha hora ainda não chegou”.*

5. Disse, então, sua mãe aos serventes: “Fazei o que ele vos disser”.

6. Ora, achavam-se ali seis talhas de pedra para as purificações dos judeus, que continham cada qual duas ou três medidas.*

7. Jesus ordena-lhes: “Enchei as talhas de água”. Eles encheram-nas até em cima.

8. “Tirai agora” – disse-lhes Jesus – “e levai ao chefe dos serventes”. E levaram.

9. Logo que o chefe dos serventes provou da água tornada vinho, não sabendo de onde era (se bem que o soubessem os serventes, pois tinham tirado a água), chamou o noivo

10. e disse-lhe: “É costume servir primeiro o vinho bom e, depois, quando os convidados já estão quase embriagados, servir o menos bom. Mas tu guardaste o vinho me­lhor até agora”.

11. Esse foi o primeiro milagre de Jesus; realizou-o em Caná da Galileia. Manifestou a sua glória, e os seus discípulos creram nele.

12. Depois disso, desceu para Cafarnaum, com sua mãe, seus irmãos e seus discípulos; e ali só demoraram poucos dias.

13. Estava próxima a Páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém.

14. Encontrou no templo os negociantes de bois, ovelhas e pombas, e mesas dos trocadores de moedas.*

15. Fez ele um chicote de cordas, expulsou todos do templo, como também as ovelhas e os bois, espalhou pelo chão o dinheiro dos trocadores e derrubou as mesas.

16. Disse aos que vendiam as pombas: “Tirai isto daqui e não façais da casa de meu Pai uma casa de negociantes”.

17. Lembraram-se então os seus discípulos do que está escrito: O zelo da tua casa me consome (Sl 68,10).

18. Perguntaram-lhe os judeus: “Que sinal nos apresentas tu, para procederes deste modo?”.

19. Respondeu-lhes Jesus: “Destruí vós este templo, e eu o reerguerei em três dias”.

20. Os judeus replicaram: “Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu hás de levantá-lo em três dias?!”.

21. Mas ele falava do templo do seu corpo.

22. Depois que ressurgiu dos mortos, os seus discípulos lembra­ram-se destas palavras e creram na Escritura e na Palavra de Jesus.

23. Enquanto Jesus celebrava em Jerusalém a festa da Páscoa, muitos creram no seu nome, à vista dos milagres que fazia.

24. Mas Jesus mesmo não se fiava neles, porque os conhecia a todos.

25. Ele não necessitava que alguém lhe desse testemunho do homem, pois ele bem sabia o que havia no homem.

Bíblia Ave Maria - Alle Rechte vorbehalten.

2,4. Isso compete a nós? Literalmente, Mulher, que tem isso a ver comigo e contigo? Sentido, “em si nós nada temos a ver com esta falta de vinho. Minha hora de fazer milagres ainda não chegou. Contudo, a teu pedido, antecipo essa hora” (N. do T.).

2,6. Purificações: conferir Mc 7,3s, onde se fala das purificações em uso entre os judeus. As medidas: neste caso, são cerca de quarenta litros. (Cada talha comportava de 80 a 120 litros.)

2,14. Trocadores de moedas: as ofertas em dinheiro feitas ao templo deviam ser feitas em divisas judaicas.




“Se precisamos ter paciência para suportar os defeitos dos outros, quanto mais ainda precisamos para tolerar nossos próprios defeitos!” São Padre Pio de Pietrelcina