aaaaa

25. Combater o bom combate

A lista de mártires que poderíamos citar desde Sétimo Severo até Diocleciano é enorme. Vamos apenas enumerar alguns deles aqui.

Víbia Perpétua, cristã na África, de classe abastada, foi martirizada juntamente com Santa Felicidade no dia 7 de março do ano 203. Humilhadas e ridicularizadas, passaram pelo fio da espada do carrasco. Outros companheiros foram mortos pelas feras na arena.

Potamina, uma jovem cristã, foi lançada com a mãe em uma caldeira cheia de betume inflamado.

Sob Décio: Policrônio, mártir por volta de 250. Santa Águeda, na Sicília, martirizada (aprox. 251). Dionísia, Pedro, André e Paulo, martirizados na Turquia. Nemésio, em Alexandria. Piônio, na Ásia Menor. Frutuoso, na Espanha. O papa Fabiano, em Roma.

Sob Valeriano: São Lúcio, papa, martirizado, por volta de 254. São Sisto II, papa, e alguns companheiros, cerca de 258. São Lourenço (+258), diácono da Igreja romana. Quando foi interrogado sobre o tesouro da Igreja, reuniu todos os cegos, coxos, aleijados, doentes, velhos e crianças que pôde encontrar. Assaram-no vivo em uma grelha. São Marino sofreu o martírio por decapitação em torno do ano 260. Estevão I (papa) e São Tarcísio também foram martirizados no reinado de Valeriano.

Cipriano, o grande bispo de Cartago, foi decapitado em 258.

São Mário, Santa Marta, Santo Audifax, Santo Ábaco. Presos quando enterravam os mártires em Roma. Condenados à morte, sob Cláudio II (268-270). São Valentim, sacerdote em Roma, decapitado por volta do ano 270.

Sob Diocleciano: São Sebastião, capitão do exército, por volta de 284. São Vítor, decapitado (303). Vicente, Sabina e Cristeta, na Espanha, por volta do ano 303. São Sérgio, martirizado em Cesaréia da Capadócia. Santas Ágape, Quilônia e Irene, martirizadas por volta do ano 304. Marcelino e Pedro, em Roma, por volta de 304. Afra, na Baviera. Félix e Adauto, por volta do ano 304. Januário e companheiros, por volta de 305. Cosme e Damião, martirizados. Crispim e Crispiniano, na Gália. Severo, Severiano, Carpóforo e Vitorino, em Roma.

Mais nomes: Afianos e Edésios, no Líbano, Crisógono, em Aquiléia, São Brás, bispo da Armênia, Santa Margarida de Antioquia, Santa Catarina, São Maurício, a legião de Tebas, Santa Inês e Santa Luzia, Santa Bárbara.

Ao lado dos mártires, havia muitos cristãos que caíam na apostasia ou simplesmente fugiam da perseguição.



“O Anjo de Deus não nos abandona jamais.” São Padre Pio de Pietrelcina