Vaticano, 26 Set. 17 / 02:30 pm (ACI).- Erguer pontes entre ciência e fé e expor o pensamento do Papa Emérito Bento XVI são os dois principais objetivos dos prêmios que a Fundação Joseph Ratzinger-Bento XVI entregará na quarta-feira, 27 de setembro e em novembro.

A Fundação apresentou várias iniciativas na Sala de Imprensa do Vaticano, na qual estiveram presentes o Cardeal Gianfranco Ravasi, Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura e membro do Comitê Científico da Fundação, e o Presidente do Conselho de Administração, Pe. Federico Lombardi, ex-porta-voz da Santa Sé, que destacou alguns detalhes.

“A fundação foi instituída em 2010 com o objetivo de promover estudos e publicações sobre o trabalho e o pensamento de Joseph Ratzinger-Bento XVI e promover estudos teológicos nas disciplinas conectadas”, assinalou o também ex-diretor da Sala de Imprensa do Vaticano.

A principal novidade é a entrega dos prêmios “Razão Aberta”, cuja primeira edição será na quarta-feira, 27 de setembro, no Vaticano, em colaboração com a Universidade Católica Francisco de Vitoria, de Madri (Espanha).

Os novos prêmios “foram inspirados em uma ideia central do pensamento de Ratzinger. Essa ideia insiste na necessidade de ter uma visão ampla e aberta da razão e do seu exercício na busca da verdade e da resposta às perguntas fundamentais sobre a humanidade e seu destino”. Algo que serve para o “diálogo entre a Igreja e a cultura moderna, e entre as ciências e a filosofia e a teologia”.

Por sua parte, o reitor da Universidade Francisco de Vitória, o professor Daniel Sada, destacou que as universidades católicas deveriam responder à pergunta: “o que uma universidade católica faz para a evangelização?”. “Bento XVI convida as universidades católicas a usarem a razão. Será católica pelo que também acontece em suas salas de aula, por isso é muito importante ensinar desde uma razão aberta, ampliada e assim surgiu o nome dos prêmios”. Também é “uma forma de sair às periferias do conhecimento e da cultura”.

Veja tambem  Deus preenche plenamente o coração humano, afirma Papa

Em declarações ao Grupo ACI, Sada explicou que a sua universidade propôs “empreender um projeto que responda ao legado principal de Ratzinger, de pedir às universidades de todo o mundo para que sejam capazes de produzir ciência e de ensinar uma ciência a partir uma razão aberta, superando a natureza fragmentada do saber”.

Em sua opinião, as universidades católicas devem “criar e ensinar uma ciência e preparar para profissões a partir de uma visão de mundo cristã. A única maneira é pensar as próprias ciências a partir dessa razão aberta proposta pelos prêmios”.

Os vencedores da primeira edição são Darcia Narvaéz, da Universidade de Notre Dame; Claudia Vanney e Juan F. Franck, da Universidade Austral; e Michael Schuck, Nancy C. Tuchman e Michael J. Garanzini, da Universidade de Loyola. Também a religiosa Laura Baritz, da Keteg Oikonomía Research Institute Foundation.

Por outro lado, o prestigioso Prêmio Ratzinger terá a sua sétima edição em 18 de novembro e, de 20 de novembro a  1º de dezembro, acontecerá em San José, Costa Rica, o simpósio internacional sobre ecologia Laudato Si, que tratará sobre o tema “O cuidado da Casa Comum, uma conversa necessária para a Ecologia Humana”.

Comentários no Facebook:

comments