Papa explica importância do Batismo das crianças

«Não são propriedade privada dos pais, estes devem ajudá-las a ser filhas de Deus»

Por Inma Alvarez

CIDADE DO VATICANO, domingo, 11 de janeiro de 2009 (ZENIT.org).- O Papa explicou a importância do Batismo das crianças, ao batizar hoje 13 bebês na Capela Sixtina, como é tradição na Solenidade do Batismo do Senhor, e afirmou que com ele «restituímos a Deus o que veio d’Ele».

«A criança não é propriedade dos pais, mas foi confiada pelo Criador a sua responsabilidade, livremente e de uma forma sempre nova, para que estes as ajudem a ser livres filhas de Deus», explicou o Papa.

Sobre estas crianças, afirmou, «pousa hoje a “complacência” de Deus».

«Desde quando o Filho unigênito do Pai se fez batizar, o céu se abriu realmente e continua se abrindo, e podemos confiar cada nova vida que nasce às mãos d’Aquele que é mais poderoso que os poderes obscuros do mal», afirmou o Papa.

Em primeiro lugar, Bento XVI assinalou a importância de que Deus se tenha feito uma criança pequena, que é precisamente o centro da celebração do tempo litúrgico do Natal, que se encerra com a Solenidade do Batismo do Senhor.

«O Criador assumiu em Jesus as dimensões de uma criança, de um ser humano como nós, para poder fazer-se ver e tocar. Ao mesmo tempo, abaixando-se até a impotência inerme do amor, Ele nos mostra o que é a verdadeira grandeza, o que quer dizer ser Deus», afirmou.

Agradecendo a oportunidade de poder batizar nesta ocasião, o Papa fez notar sobretudo a importância do papel dos pais e dos padrinhos para fazê-los compreender o sacramento que um dia receberam.

«Só se os pais amadurecerem esta consciência conseguirão encontrar o justo equilíbrio entre a pretensão de poder dispor dos próprios filhos como se fossem uma propriedade privada, formando-os em base às próprias idéias e desejos, e a postura libertadora que se expressa em deixá-los crescer em autonomia plena, satisfazendo cada um de seus desejos e aspirações», explicou.

Veja tambem  Como os primeiros cristãos celebravam o culto a Deus?

Por outro lado, batizar as crianças pequenas, explicou o Papa, não é «fazer uma violência», mas «dar-lhes a riqueza da vida divina na qual se enraíza a verdadeira liberdade que é própria dos filhos de Deus».

Esta liberdade, acrescentou, «deverá ser educada e formada com o amadurecer dos anos, para que as faça capazes de eleições pessoais responsáveis».

Com respeito à educação na fé dos pequenos, o Papa explicou que «se com este sacramento, o batizando se converte em filho adotivo de Deus, objeto de seu amor infinito que o tutela e defende das forças obscuras do maligno, é necessário ensiná-los a reconhecer a Deus como seu Pai e a saber se relacionar com Deus com atitude de filho».

Também, o batismo, afirmou, introduz as crianças em «uma nova família, maior e estável, mais aberta e numerosa que a vossa: refiro-me à família dos crentes, à Igreja, uma família que tem Deus por Pai e na qual todos se reconhecem irmãos em Jesus Cristo».

Confiando estas crianças «à bondade de Deus, que é potência de luz e de amor», estas, «ainda nas dificuldades da vida, não se sentirão abandonadas, se permanecerem unidas a Ele».

«Preocupados portanto em educá-las na fé, em ensiná-las a rezar e a crescer como fazia Jesus e com sua ajuda, em sabedoria, idade e graça perante Deus e os homens», concluiu.

Depois, durante sua alocução no Ângelus, o Papa voltou a assinalar a importância deste sacramento, pelo qual o homem «recebe a vida eterna».

«Esta é a estupenda realidade: a pessoa humana, mediante o Batismo, insere-se na relação única e singular de Jesus com o Pai, de forma que as palavras que ressoaram no céu sobre o Filho Unigênito se fazem verdadeiras para cada homem e toda mulher que renasce na água e do Espírito Santo: Tu és meu Filho, o amado», acrescentou.

Veja tambem  Três mil católicos voltam à Igreja graças a um site




Livros Recomendados

Perguntas e Respostas Concisas e Familiares às Objeções Mais Vulgares Contra a ReligiãoBatismo (Coleção Sacramentos)O Evangelho de São Mateus – Cadernos de Estudo Bíblico

Apoia-se: Seja um apoiador da Bíblia Católica Online.

Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

Grã-Bretanha: cristãos cobram de ateus prova de que Deus não existe

Próximo

Informar ou desinformar sobre a religião

  1. rosicler dos santos

    gostaria de saber se prara ser padrinho de batismo de uma crianca precisa ser casado na igreja?

    e tambem, se os padrinhos forem evangelicos, eles poderam batizar a crianca, sendo ela catolica?

    isso interfere em alguma coisa na igreja catolica???

    por favor me responda estou confusa

  2. jose

    Eu jose cornelio,ha 16 anos que sou agente do batismo, hoje sou cordenador desta pastoral estou muito contente e sastifeito,gostaria de receber apoio de mais pastoral ou melhor da C N B B .Paz de CRISTO a todos….

  3. Andrea

    Gente, estou com um sério problema! Quero batizar minha filha que tem 3 anos mas não posso porque o padrinho não é catolico, e os católicos da família, não tem nada para acrescentar na vida dela. O que fazer nesse caso?
    Essa escolha não deveria ser livre? Devemos compreender o significado do batismo e ter Jesus como salvador, e só, apenas Ele salva. Tenho uma madrinha batizada, crismada, casada, e tudo mais na igreja católica, que nem se quer liga pra saber se estou viva.
    Estou muito triste em não poder batizar minha filha.

  4. Paz Jesus Lu

    Uma boa explicação sobre o por que do batismo das crianças está nesse vídeo do Padre Paulo Ricardo, vale muito a pena assistir.

    http://padrepauloricardo.org/episodios/por-que-preciso-batizar-o-meu-filho-quando-crianca

    Só adiantando um ponto: a criança (quando nasce) não possui pecado pessoal, ou seja, não cometeu nenhum pecado, contudo ela possui o pecado original (originado) que é transmitido pelo erro de nossos primeiros pais (Adão e Eva).

    Isso pode ser explicado dessa maneira:

    Adão e Eva possuíam uma grande riqueza de dons e graças que Deus lhes tinha dado. Contudo quando eles pecaram, ou seja, optaram por deixar Deus, eles perderam esse dons de Deus. Logo, da mesma maneira que um filho ganhar a herança de seu pai, nós recebemos aquilo que nossos primeiros pais tinham, o pecado.

    Sancta Dei Genitrix, ora pro nobis.

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén