VATICANO, 14 Ago. 06 (ACI) .- “O catolicismo não é um amontoado de proibições, mas uma opção positiva”, destacou o Papa Bento XVI em uma entrevista televisiva emitida ontem pela televisão alemã, em que expressou sua visão sobre o mundo ocidental, os jovens, a proposta moral cristã hoje, a família, o futuro do cristianismo na Europa, as mulheres na Igreja e seus planos de viagens próximas. A entrevista foi realizada há alguns dias no Palácio Apostólico de Castel Gandolfo em preparação para sua próxima viagem à sua Baviera natal. O Santo Padre aproveitou uma pergunta sobre aspectos de sua próxima visita a terras bávaras, para ressaltar que “o assunto fundamental é que devemos redescobrir a Deus, não um Deus qualquer, mas o Deus com o rosto humano, porque quando vemos Jesus Cristo vemos Deus. E partindo disto devemos encontrar os caminhos para nos encontrar na família, entre as gerações e também entre as culturas e os povos, entre os caminhos da reconciliação e a convivência pacifica neste mundo, e os caminhos que conduzem para o futuro”.

Na entrevista em preparação para sua viagem a München, Altötting e Regensburg entre 9 e 14 de setembro, o Santo Padre respondeu a perguntas sobre os temas que abordará em seu país natal, sua visão da Igreja ali e o mundo ocidental, os jovens, a atual situação de violência no Oriente Médio, o equilíbrio entre o primado do Papa e a colegialidade episcopal, o ecumenismo, a família, a moral, o futuro do cristianismo na Europa, o lugar e missão das mulheres na comunidade eclesiástica, o “novo fascínio” que o catolicismo exerce hoje, os planos respeito a suas próximas viagens e alguns aspectos de sua personalidade e ministério petrino.

Ao ser perguntado a respeito da situação atual da Igreja em terras germanas, o Pontífice precisou que seu país forma parte do Ocidente e que “no mundo ocidental hoje vivemos uma onda de um novo iluminismo drástico ou laicidade”.

Veja tambem  Dramático apelo do Papa para Jornada pela Paz no Oriente Médio

“Acreditar se tornou mais difícil, porque o mundo no qual nos encontramos está feito completamente por nós mesmos e no que, por assim dizer Deus já não aparece diretamente. Já não se bebe diretamente da fonte, mas sim do recipiente que nos apresenta já cheio, etc. Os homens construíram o próprio mundo, e encontrá-Lo neste mundo se tornou algo muito difícil”.

Entrevistado pelos jornalistas da rede televisiva Bayerischer Rundfunk (ARD); ZDF; Deutsche Welle e a Rádio Vaticano, o Papa manifestou seu desejo de apelar à generosidade dos jovens que, entretanto, “diante do risco de comprometer-se por toda a vida, quer seja no matrimônio ou no sacerdócio” experimentam medo.

Diante do temor que se experimenta de “atar a liberdade” com uma decisão definitiva, o Santo Padre notou a urgência de “despertar o valor de ousar decisões definitivas, que na realidade são as únicas que fazem possível o crescimento, o caminho para frente e o alcançar algo importante na vida, as únicas que não destroem a liberdade, mas que lhe oferecerem a justa direção no espaço”.

Como foi dado a conhecer há uma semana, Bento XVI se referiu ao atual conflito armado no Oriente Médio afirmando que “a guerra é a pior solução para todos. Não contribui em nada de bom para ninguém, nem sequer para os supostos ‘vencedores’” e que o que todos precisam é de paz.

Família e moral

Ao referir-se à família, em particular a sua mensagem em sua última viagem a Valência (Espanha), o Pontífice destacou que “o cristianismo, o catolicismo não é um amontoado de proibições, mas uma opção positiva”.

Depois de notar que “hoje esta consciência desapareceu quase completamente”, o Papa disse que “ouvimos tanto falar do que não está permitido que agora é preciso dizer: Mas nós temos uma idéia positiva a propor; que o homem e a mulher são feitos um para o outro, que a escala –por assim dizer-: sexualidade, eros, ágape, indica as dimensões do amor e sobre este caminho cresce sempre o matrimônio, como encontro entre um homem e uma mulher, cume da felicidade e da bênção, e depois a família, que garante a continuidade entre gerações, em que as gerações se reconciliam entre elas e em que também as culturas podem se encontrar”.

Veja tambem  Bento XVI: Não tenhamos medo de combater o mal com Jesus

Ao responder a uma pergunta sobre a AIDS e a superpopulação e a insistência da Igreja Católica nos aspectos morais desta problemática, o Papa desprezou que essa ênfase fosse em demasia: “Insistimos realmente tanto sobre a moral? Eu diria –cada vez estou mais convencido após meu diálogo com os bispos africanos– que a questão fundamental, se queremos dar passos adiante neste sentido, chama-se educação, formação”.

“O progresso só pode ser progresso real se servir a pessoa humana e se a própria pessoa humana crescer, não cresce só seu poder técnico, mas também sua capacidade moral. E acredito que o verdadeiro problema de nossa situação histórica seja o desequilíbrio entre o crescimento incrivelmente rápido de nosso poder técnico e o de nossa capacidade moral, que não cresce de forma proporcional”, apontou.




Comentários no Facebook:

comments