Deus só perdoará àqueles que tiverem perdoado – é essa a lei. Os santos não têm em si o menor vestígio de ódio ou de fel: perdoam tudo e consideram sempre que mereciam muito mais, pelas ofensas que eles próprios fizeram a Deus. Quando alguém odeia o seu próximo, Deus devolve-lhe esse ódio: é um golpe que se volta contra nós. Dizia eu certo dia a uma pessoa: «Mas não quer ir para o Céu? Lá vai ver esse homem!» «Oh sim», respondeu-me, «mas trataremos de estar bem longe um do outro, de não nos ver.» Não vale a pena incomodarem-se com isso, porque a porta do Céu está fechada ao ódio.

No Céu não existe rancor. Assim, os corações bons e humildes que recebem as injúrias e as calúnias com alegria ou indiferença dão início ao seu paraíso já neste mundo, e aqueles que guardam rancor são infelizes. A forma de afastar o demónio quando ele nos suscita pensamentos de ódio contra aqueles que nos maltratam é rezar imediatamente por eles. Desse modo, vencemos o mal com o bem. Foi assim que fizeram os santos.





Livros Recomendados

Dons de Ciência e SabedoriaO Diabo, Lutero e o ProtestantismoO Presépio das Crianças

Apoia-se: Seja um apoiador da Bíblia Católica Online.

Comentários no Facebook:

comments