Apesar da unidade orgânica real da cabeça e do corpo, a Igreja mantém-se ao lado de Cristo como pessoa independente. Enquanto Filho do Pai eterno, Cristo vivia antes do começo dos tempos e antes de toda a existência humana. Em seguida, pelo ato da criação, a humanidade vivia antes de Cristo ter assumido a sua natureza e Se ter integrado nela. Mas, pela sua encarnação, Ele trouxe-lhe a sua própria vida divina; pela sua obra de redenção, tornou-a capaz de receber a graça, de tal modo que a recriou. […] A Igreja é a humanidade resgatada, novamente criada da própria substância de Cristo.

A célula primitiva desta humanidade resgatada é Maria; foi nela que se realizou pela primeira vez a purificação e a santificação por Cristo, foi Ela a primeira a ficar cheia do Espírito Santo. Antes de o Filho de Deus ter nascido da Santíssima Virgem, criou esta Virgem cheia de graça e nela e com Ela a Igreja. […]

Uma alma purificada pelo batismo eleva-se ao estado de graça e é, por isso mesmo, criada por Cristo e nascida para Cristo. Mas é criada dentro da Igreja e nasce pela Igreja. […] Assim sendo, a Igreja é a mãe de todos aqueles a que a redenção se dirige. E é-o pela sua união íntima com Cristo e porque se mantém a seu lado na qualidade de esposa de Cristo, para colaborar na sua obra de redenção.


Livros recomendados

São Bento – Pai da EuropaO Processo de Kravchenko – O Comunismo no Banco dos Réus50 Dias com o Espírito Santo





Comentários no Facebook:

comments