«Mulher, porque choras?» Bem-amado Senhor, como podes perguntar porque chora ela? Não é verdade que Te viu cruelmente imolado, atravessado por pregos, suspenso do madeiro como um salteador, entregue às zombarias dos ímpios? Como podes dizer-lhe: «Mulher, porque choras?» Ela não conseguiu arrancar-Te à morte, mas queria ao menos embalsamar o teu corpo, para o preservar da corrupção o máximo de tempo possível. […] E eis que, para cúmulo, julga ter perdido esse corpo que tinha ainda a alegria de possuir. Com essa perda, toda a esperança se esfumou para ela, se nada pode guardar em memória de Ti. Como podes perguntar-lhe, nesse preciso momento: «Mulher, porque choras? Quem procuras?»

Ó bom Senhor, vê que é a tua discípula fiel, resgatada pelo teu sangue, que está atormentada pelo desejo de Te ver. Vais permitir que tal sofrimento dure muito tempo? Agora que escapaste à corrupção, perdeste toda a compaixão? Agora que atingiste a imortalidade, esqueceste a misericórdia? Não, a tua doce bondade, Amigo, leva-Te a intervir sem tardar, para que aquela que chora o seu Senhor não ceda à amargura do coração.

«Maria!» Ó Senhor, tu chamaste a tua serva pelo seu nome de família e ela reconheceu imediatamente a voz familiar do seu Senhor. «Maria!» Palavra tão doce, tão transbordante de ternura e de amor! Ser-Te-ia impossível, Mestre, dizê-lo de forma mais breve e mais forte: «Maria! Sei quem tu és. Sei o que queres. Eis-Me aqui! Não chores mais. Eis-Me aqui, Aquele que procuras.» Imediatamente as lágrimas mudam de natureza; pois como poderiam ser estancadas, quando agora brotam de um coração em festa?




Comentários no Facebook:

comments