Ergamos todos o olhar para o Senhor que está nos céus, e digamos, como o profeta: «Fez a sua aparição na terra, onde permaneceu entre os homens» (Bar 3,38). Esse mesmo que aos profetas Se mostrou sob aparências várias, Esse que surgiu a Ezequiel com o aspeto de um homem num trono de fogo (Ez 1, 26) e que Daniel viu como Filho do Homem e ancião, velho e jovem ao mesmo tempo (Dn 7, 9.13), proclamando-O como um só Senhor, Esse é Aquele que apareceu e que tudo iluminou.

Ele dissipou a noite sinistra; graças a Ele, é sempre dia. Resplandeceu no mundo a luz sem ocaso, Jesus, nosso Salvador. O país de Zabulão vive na abundância e imita o paraíso, pois todos podem «saciar-se» no seu «rio de delícias» (Sl 35,9), e Ele faz desaguar nele uma corrente de água sempre viva […]. Na Galileia contemplamos «a fonte da vida» (v. 10), Aquele que apareceu e que tudo iluminou.

Também eu Te verei, Jesus, a iluminar o meu espírito e a dizer aos meus pensamentos: «Se alguém tem sede, venha a Mim e beba!» (Jo 7,37). Refresca este coração humilhado que a minha vida errante fez quebrar. Ela consumiu-o de fome e de sede; não fome de alimentos, não sede de beber, mas de ouvir as palavras do Senhor (Am 8,11) […]. Por isso o meu coração geme baixinho, esperando o juízo que vem de Ti, que apareceste e que tudo iluminaste […].

Dá-me um sinal claro, purifica os meus erros escondidos, pois as feridas minam-me. […] A teus pés me lanço, Salvador, como a hemorroísa. Também eu toco na fímbria da tua túnica e digo: «Se ao menos tocar nas suas vestes, ficarei curado» (Mc 5,28). Não tornes vã a minha fé, Tu, que és médico das almas […]. Encontrar-Te-ei, para minha salvação, a Ti, que apareceste e que tudo iluminaste.


Livros recomendados

A caminho do céuA Carta da DemocraciaSão Josemaria Escrivá





Comentários no Facebook:

comments