Antes de brilhar a luz divina,
Não me conhecia a mim mesmo.
Vendo-me nas trevas e na prisão,
Preso num lamaçal,
Coberto de sujidade, ferido, com a carne inchada […],
Caí aos pés daquele que me iluminara.
E Aquele que me iluminara tocou com suas mãos
Nas minhas cadeias e nas minhas feridas;
No sítio onde a sua mão tocou e aonde o seu dedo se chegou,
No mesmo momento se soltaram as cadeias,
Daí desapareceram as feridas e toda a sujidade.
A mácula da minha carne desapareceu […]
Pois Ele tornou-a semelhante à sua mão divina.
Estranha maravilha: a minha carne, a minha alma e o meu corpo
Participam da glória divina.

Assim que fui purificado e liberto das minhas cadeias,
Eis que Ele me estende uma mão divina,
Retira-me completamente do lamaçal,
Abraça-me, lança-Se-me ao pescoço,
Cobre-me de beijos (Lc 15,20).
E a mim, que estava completamente exausto,
E tinha perdido as forças,
Põe-me aos ombros (Lc 15,5),
E leva-me para fora do meu inferno. […]

É a luz que me transporta e me sustenta;
Que me conduz para uma grande luz. […]
Ele permite-me contemplá-la, por estranha renovação,
Ele próprio me tornou a formar (Gn 2,7) e me arrancou à corrupção.
Concedeu-me o dom da vida imortal,
Revestiu-me com uma túnica imaterial e luminosa,
E deu-me sandálias, um anel e uma coroa
Incorruptíveis e eternos (Lc 15,22).




Comentários no Facebook:

comments