O Filho unigénito de Deus já antes do princípio do mundo nos abraçou no seu infinito conhecimento e eterno amor. Amor que demonstrou palpavelmente e de modo verdadeiramente assombroso assumindo a nossa natureza em unidade hipostática; donde se segue, como nota candidamente Máximo de Turim, que «em Cristo é a nossa própria carne que nos ama» (Sermão 29).

Esse amorosíssimo conhecimento que o divino Redentor de nós teve desde o primeiro instante da sua encarnação excede tudo quanto a razão humana pode alcançar; pois que, pela visão beatífica de que gozou apenas concebido no seio de sua Mãe Santíssima, Ele tem continuamente presentes todos os membros do seu corpo místico e a todos abraça com amor salvífico.

Oh admirável condescendência da divina bondade para conosco! Oh inconcebível desígnio da imensa caridade! No presépio, na cruz, na glória sempiterna do Pai, Cristo vê e abraça todos os membros da Igreja muito mais claramente, com muito maior amor, do que a mãe o filho que tem no regaço, do que cada um de nós se conhece e se ama a si mesmo.


Livros recomendados

Asterix legionárioAve Maria: História e MeditaçãoDa Mentira





Comentários no Facebook:

comments