A Igreja conhece duas vidas louvadas e recomendadas por Deus. Uma é na fé, a outra na visão; uma na peregrinação do tempo, a outra na morada da eternidade; uma no trabalho, a outra no repouso; uma no caminho, a outra na pátria; uma no esforço da ação, a outra na recompensa da contemplação. […] A primeira é simbolizada pelo apóstolo Pedro, a segunda por João. […] E não são só eles, mas toda a Igreja, Esposa de Cristo, que o realiza, ela que há de ser libertada das provações deste mundo e permanecer na beatitude eterna.

Pedro e João simbolizaram, cada um, uma destas duas vidas. Mas ambos passaram juntos a primeira, no tempo, pela fé; e juntos desfrutarão a segunda, na eternidade, pela visão. Foi portanto para todos os santos unidos inseparavelmente ao corpo de Cristo, e a fim de os conduzir no meio das tempestades desta vida, que Pedro, o primeiro dos apóstolos, recebeu as chaves do Reino dos Céus, com o poder de reter ou absolver os pecados (Mt 16,19). Foi também para todos os santos, e a fim de lhes dar acesso à profundidade serena da sua vida mais íntima, que Cristo deixou João repousar no seu peito (Jo 13,23.25). Pois o poder de reter ou absolver os pecados não pertence somente a Pedro, mas a toda a Igreja; e João não é o único a beber na fonte do peito do Senhor, o Verbo que desde o início é Deus junto de Deus (Jo 7,38;1,1), […] mas o próprio Senhor dedica o seu evangelho a todos os homens do mundo, para que cada um beba consoante a sua capacidade.





Livros Recomendados

O Diabo, Lutero e o ProtestantismoA Virtude dos CampeõesTudo, Menos Deus

Apoia-se: Seja um apoiador da Bíblia Católica Online.

Comentários no Facebook:

comments