Por fim, João nasce, recebe o seu nome e eis que a língua de seu pai se solta. Aproximemos este episódio da realidade profunda que ele simboliza e contemplemos um grande mistério: Zacarias cala-se e fica mudo até ao nascimento de João, o precursor do Senhor, que lhe abre a boca. Que significa este silêncio de Zacarias, senão o véu que se estendia sobre as profecias e de alguma forma as escondia e as selava antes do anúncio da Boa Nova de Cristo? Com o seu nascimento, elas descobrem-se; tornam-se claras quando chega Aquele de quem falavam.

O nascimento de João solta, pois, a língua de Zacarias. Este acontecimento tem o mesmo sentido do rasgar do véu do Templo no momento da morte de Cristo na cruz (Mt 27,51). Se João não tivesse anunciado a vinda de outro, a boca de Zacarias não se teria aberto; a sua língua solta-se porque o nascimento de seu filho é o nascimento da própria voz. Não dirá João mais tarde: «Eu sou a voz do que clama no deserto» (Jo 1,23)?


Livros recomendados

100 Mensagens para a AlmaCatólicos, Voltem para CasaNossa Senhora de Fátima





Comentários no Facebook:

comments