Quando o Senhor me avisou, eu compreendi; vi então as maquinações dos meus inimigos.
Eu era como manso cordeiro levado ao matadouro e ignorava a conjura que tramavam contra mim, dizendo: «Destruamos a árvore no seu vigor, arranquemo-la da terra dos vivos, para não mais se falar no seu nome».
Senhor do Universo, que julgais com justiça e sondais os sentimentos e o coração, seja eu testemunha do castigo que haveis de aplicar-lhes, pois a Vós confio a minha causa.


Livros recomendados

“Eu Sou a Graça” – As Aparições de Nossa Senhora das Graças em PernambucoDa Cruz à RessurreiçãoA Virgem Nossa Senhora





Comentários no Facebook:

comments