Em S. Mateus lemos a genealogia de Cristo, costume tradicional da Santa Igreja que tem belos e misteriosos motivos. Este texto apresenta-nos a escada que Jacob viu de noite, durante o seu sono (Gn 28,11s). Apoiado no alto dessa escada, que tocava os céus, o Senhor apareceu a Jacob e prometeu-lhe que herdaria a Terra. […] Ora, sabemos que «a sua vinda é-nos apresentada de forma simbólica» (1Cor 10,11). Então o que prefigura essa escada, senão a linhagem da qual Jesus haveria de nascer, linhagem que o santo evangelista remontou com um sopro divino, de maneira que chegasse a Jesus passando por José? E a este José o Senhor confiou o Menino. Pela «Porta do Céu» (Gn 28,17) […], quer dizer, pela bem-aventurada Virgem, sai Nosso senhor a chorar, feito criança por nós. […] No seu sono, Jacob ouviu o Senhor dizer-lhe: «Na tua posteridade serão abençoadas todas as nações da Terra», e esse facto realizou-se com o nascimento de Cristo.

Era o que o evangelista tinha em vista quando, na genealogia de Jesus, inseriu Rahab, a prostituta, e Rute, a moabita; porque ele viu que Cristo não encarnou apenas para os judeus, mas também para os pagãos, Ele que Se dignou ter antepassados entre esses pagãos. Por conseguinte, vindos dos dois povos, judeu e pagão, como dos dois lados da escada, os antepassados de Cristo, colocados nos diferentes degraus, recebem o Senhor que desce do alto dos céus. E os santos anjos descem e sobem por esta escada, por onde os eleitos são primeiramente descidos, para receberem humildemente a fé na encarnação do Senhor, sendo depois elevados, a fim de contemplarem a glória da sua divindade.




Comentários no Facebook:

comments