Entre as recomendações salutares e os preceitos divinos através dos quais proveu à salvação do seu povo, o Senhor deu-nos ainda o modelo de oração; Ele próprio nos ensinou o que devemos pedir nas nossas preces. Ele, que nos dá a vida, também nos ensina a rezar, com aquela mesma bondade que O levou a conceder-nos tantos outros benefícios. Assim, quando falamos ao Pai através da oração que o Senhor nos ensinou, somos mais facilmente escutados. Ele previra que viria a hora em que: «os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e verdade» (Jo 4,23) e cumpriu o que anunciara. Santificados pelo Espírito e pela verdade que vêm dele, podemos igualmente, graças ao que nos ensinou, adorar em espírito e verdade.

Uma vez que foi por Cristo que recebemos o Espírito, que oração poderia ser mais espiritual que aquela que Ele nos deu? Que oração poderia ser mais verdadeira que aquela que saiu da boca do Filho, que é a própria Verdade?

Por isso, irmãos bem-amados, rezemo-la como o Mestre no-la ensinou. Clamar a Deus com palavras dele é súplica que Lhe é amável e filial; é fazer-Lhe chegar aos ouvidos a oração de Cristo. Que o Pai reconheça a voz do Filho quando Lhe dirigimos o nosso pedido. Que Aquele que vive no nosso coração seja também a nossa voz. Ele é nosso advogado junto do Pai: intercede pelos nossos pecados quando nós, pecadores, Lhe pedimos perdão pelas nossas faltas. Pronunciemos, então, as palavras do nosso advogado, porque é Ele quem nos diz: «Se pedirdes alguma coisa ao Pai em meu nome, Ele vo-la dará» (Jo 16,23).




Comentários no Facebook:

comments