«”Tu és Simão, filho de João. Chamar-te-ás Cefas” — que quer dizer “Pedro”.» […] Eis o nome que Cristo dá a Simão. A Tiago e a seu irmão chamar-lhes-á «filhos do trovão» (Mc 3, 17). A que se devem estas mudanças de nome? Servem para mostrar que Ele, Jesus, é o mesmo que havia estabelecido a antiga aliança, que tinha mudado o nome de Abrão, que passou a ser Abraão, o de Sarai, que passou a chamar-se Sara, e o de Jacob, que passou a ser Israel (Gen 17, 5 ss; 32, 29). E que também dera o nome a vários, aquando do seu nascimento: a Isaac, a Sansão, aos filhos de Isaías e de Oseias. […]

Nós temos um nome muito superior a todos os outros: o nome de «cristãos» – o nome que faz de nós filhos de Deus, amigos de Deus, um mesmo corpo com Ele. Haverá nome que possa tornar-nos mais fervorosos na virtude, encher-nos de maior zelo, levar-nos mais a fazer o bem? Evitemos, pois, fazer alguma coisa que seja indigna deste nome tão grande e tão belo, derivado do nome do próprio Jesus Cristo. Quantos ostentam o nome de um grande chefe militar ou de alguma personagem ilustre consideram-se honrados por esse facto e tudo fazem para ser dignos dele. Quanto mais nós, que não tiramos o nosso nome de um general nem de um príncipe desta Terra, nem sequer de um anjo, mas do Rei dos anjos, quanto mais nós devemos estar dispostos a tudo perder, incluindo a própria vida, pela honra deste santo nome!


Livros recomendados

“Eu Sou a Graça” – As Aparições de Nossa Senhora das Graças em PernambucoOrtodoxiaA caminho de Belém





Comentários no Facebook:

comments