Não se pode alcançar o Reino anunciado por Cristo senão pela conversão, a «metanoia», ou seja, pela mudança e a renovação íntima e total de todo o homem, dos seus pensamentos, dos seus juízos e da sua vida, mudança e renovação que se operam nele à luz da santidade e do amor de Deus, que nos foram manifestados e comunicados em plenitude no Filho.

O convite do Filho à «metanoia» obriga-nos tanto mais, quanto Ele não Se limitou a pregá-lo, mas Se ofereceu a Si próprio como exemplo. Cristo é, com efeito, o modelo supremo dos penitentes, Ele que quis sofrer, não pelos seus pecados, mas pelos pecados dos outros.

Quando se coloca diante de Cristo, o homem é iluminado por uma luz nova, e reconhece a santidade de Deus e a gravidade do pecado. Pela palavra de Cristo, é-lhe transmitida a mensagem que convida à conversão e concede o perdão dos pecados. O homem recebe estes dons em plenitude no batismo, que o configura à Paixão, morte e ressurreição do Senhor. É sob o signo deste mistério que se coloca toda a vida futura do batizado.

Todo o cristão deve, pois, seguir o Mestre, renunciando a si mesmo, levando a sua cruz e participando nos sofrimentos de Cristo (Mt 16,24). Assim, transfigurado em imagem da sua morte, torna-se capaz de meditar na glória da ressurreição.





Livros Recomendados

O Diabo, Lutero e o ProtestantismoAprender a Rezar para Aprender a AmarNo Coração da Igreja

Apoia-se: Seja um apoiador da Bíblia Católica Online.

Comentários no Facebook:

comments