Podemos dizer que o deserto é o templo sem limites do nosso Deus. Pois Aquele que mora no silêncio certamente aprecia locais retirados. Foi aí que muitas vezes Se manifestou aos seus santos; foi no contexto da solidão que Se dignou vir ter com os homens.

Foi no deserto que Moisés, com a face banhada de luz, viu a Deus. […] Aí, foi-lhe permitido conversar familiarmente com o Mestre. Palavra puxa palavra, dialogou com o Senhor do universo como um homem fala com o seu semelhante. Foi aí que recebeu a vara de prodigiosos poderes. Entrou no deserto como pastor de ovelhas, saiu dele como pastor de povos (Ex 3; 33,11; 34).

Também o povo de Deus, quando foi resgatado do Egito e libertado dos trabalhos forçados, foi conduzido a locais retirados, refugiando-se no isolamento. Sim, foi no deserto que se aproximou deste Deus que o arrancou à servidão. […] E o Senhor fez-Se chefe do seu povo, guiando os seus passos através do deserto. Pelo caminho, dia e noite, manifestava-Se numa coluna, numa chama ardente, numa nuvem relampejante, em sinais vindos do céu. […] Os filhos de Israel puderam assim ver o trono de Deus e ouvir a sua voz durante o tempo em que viveram na solidão do deserto. […]

Será necessário acrescentar que só chegaram à terra dos seus sonhos após a permanência no deserto? Para que o povo entrasse um dia na posse da terra onde corria leite e mel, teve primeiro de passar por locais áridos e não cultivados. É sempre através do acampamento no deserto que nos encaminhamos para a verdadeira pátria. Quem quer «vir a contemplar a bondade do Senhor na terra dos vivos» [Sl 27,13] deve habitar uma região inabitável. Quem quer tornar-se cidadão dos céus deve fazer-se hóspede do deserto.




Comentários no Facebook:

comments