O nosso Senhor e Mestre deu-nos este mandamento para nossa salvação: «Aquele que resistir até ao fim será salvo» (Mt 10,22). […] O próprio facto de sermos cristãos é o fundamento da nossa fé e da nossa esperança. Mas, para que a esperança e a fé possam dar frutos, é necessária a paciência. Não é a glória cá de baixo que procuramos, é a glória futura. O apóstolo Paulo adverte-nos: «Nós fomos salvos, mas em esperança. Ver o que se espera já não é esperar; se se vê, como se pode ainda esperar? Mas nós, que esperamos o que não vemos, esperamo-lo com perseverança» (Rom 8,24-25).

Noutra passagem, Paulo dá o mesmo ensinamento aos justos que trabalham para fazer frutificar os dons de Deus, a fim de prepararem para si mesmos maiores tesouros no céu […]: «Enquanto temos tempo, trabalhemos para o bem de todos. […] Não nos cansemos de fazer o bem; a seu tempo virá a colheita, se não desistirmos» (Gal 6,10.9). […] E, quando fala de caridade, Paulo junta-lhe a perseverança e a paciência: «O amor é paciente, o amor é prestável, o amor não é ciumento; não se vangloria, […] não se irrita, não alimenta rancor […], tudo suporta, tudo confia, tudo espera, tudo sofre» (1Cor 13,4-7). Mostra assim que o amor é capaz de perseverar até ao fim, pois sabe suportar tudo.

Por fim, diz noutra passagem: «Suportai-vos uns aos outros com amor; esforçai-vos por guardar a caridade, no mesmo Espírito, pelo vínculo da paz» (Ef 4,2-3). Desta forma, mostra que os irmãos não podem conservar a unidade nem a paz se não se encorajarem mutuamente, suportando-se, e se não conservarem o vínculo da concórdia por meio da paciência.





Livros Recomendados

Fé, Oração, Ousadia.Santo Elias: O Doutor de IsraelO que Não me Disseram sobre a Vida a Dois

Apoia-se: Seja um apoiador da Bíblia Católica Online.

Comentários no Facebook:

comments