A invocação de Deus como Pai é conhecida em muitas religiões. A divindade é muitas vezes considerada pai dos deuses e dos homens. Em Israel, porém, Deus é chamado Pai enquanto Criador do mundo. Mais ainda, Deus é Pai em razão da Aliança e do dom da Lei a Israel, que é o seu «filho primogénito» (Ex 4,22). E é também chamado Pai do Rei de Israel. Ele é muito especialmente o Pai dos pobres, do órfão e da viúva que estão sob a sua protecção amorosa.

Jesus revelou que Deus é Pai num sentido inaudito: não o é somente enquanto Criador, mas é eternamente Pai em relação a seu Filho único, que só é eternamente Filho em relação a seu Pai: «Ninguém conhece o Filho senão o Pai, e ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar» (Mt 11,27).

É por isso que os apóstolos confessam Jesus como «o Verbo» que «no início estava junto de Deus» e que «é Deus» (Jo 1,1), como «a imagem do Deus invisível» (Col 1,15), como «o resplendor da sua glória e a expressão do seu ser» (Heb 1,3).

Na esteira deles, seguindo a Tradição apostólica, a Igreja, no ano de 325, no primeiro concílio ecuménico de Niceia, confessou que o Filho é «consubstancial» ao Pai, isto é, que é um só Deus com Ele. O segundo concílio ecuménico, reunido em Constantinopla em 381, conservou esta expressão na sua formulação do Credo de Niceia e confessou «o Filho Único de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos, luz de luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai».





Livros Recomendados

O Sinal do ExorcistaPassagem de CalabarTratado do Amor de Deus

Apoia-se: Seja um apoiador da Bíblia Católica Online.

Comentários no Facebook:

comments