Do céu foi enviado um arcanjo eminente para dizer à Mãe de Deus: «Alegra-te!» Quando Te viu, Senhor, encarnar à sua voz, exclamou surpreendido e encantado:

Alegra-te, porque em ti brilha a alegria da salvação.
Alegra-te, pois por ti o mal desapareceu.
Alegra-te, porque ergues Adão da sua queda.
Alegra-te, porque Eva também já não chora.
Alegra-te, montanha inacessível aos pensamentos dos homens.
Alegra-te, abismo insondável aos próprios anjos.
Alegra-te, porque te tornaste o trono e o palácio do Rei.
Alegra-te, pois acolhes em ti Aquele que tudo pode.
Alegra-te, estrela que anuncias o nascer do Sol.
Alegra-te, porque em teu seio Deus tomou a nossa carne.
Alegra-te, pois por ti toda a criação é renovada.
Alegra-te, pois por ti o Criador fez-Se menino.
Alegra-te, Esposa que não foste desposada.

A Puríssima, conhecendo o seu estado virginal, respondeu confiadamente ao anjo Gabriel: «Que estranha maravilha essa que dizes, incompreensível para a minha alma; como poderei conceber sem semente para engravidar, como estás a dizer?» Aleluia, aleluia, aleluia!
Para compreender este mistério desconhecido, a Virgem dirige-se ao servo de Deus e pergunta-lhe como pode um Filho ser concebido nas suas castas entranhas. Cheio de respeito, o anjo aclama-a:

Alegra-te, pois Deus revela-te os seus desígnios inefáveis.
Alegra-te, confiança dos que rezam em silêncio.
Alegra-te, porque és a primeira das maravilhas de Cristo.
Alegra-te, pois em ti são recapituladas as doutrinas divinas.
Alegra-te, escada pela qual Deus desce do Céu.
Alegra-te, ponte que nos conduz da terra ao Céu.
Alegra-te, inesgotável admiração dos anjos.
Alegra-te, ferida incurável para os demónios.
Alegra-te, pois geras a luz de forma inexprimível.
Alegra-te, pois não revelas o segredo a ninguém.
Alegra-te, porque ultrapassas a sabedoria dos sábios.
Alegra-te, porque iluminas a inteligência dos crentes.
Alegra-te, Esposa que não foste desposada.

Então, o poder do Altíssimo cobriu com a sua sombra a Virgem que não tinha sido desposada, para a levar a conceber. E o seu seio fecundado tornou-se um jardim de delícias para os que nele querem colher a salvação, cantando: Aleluia, aleluia, aleluia!


Livros recomendados

Caminhando para a MaturidadeSuma Teológica (5Vols. – Completa)Amar a Igreja





Comentários no Facebook:

comments