«Se não vir nas suas mãos o sinal dos cravos», diz Tomé, «se não meter o dedo no lugar dos cravos e a mão no seu lado, não acreditarei». Espantoso endurecimento o deste discípulo: o testemunho de tantos irmãos e até a vista da sua alegria não bastam para lhe dar a fé. E eis que, para tomar conta dele, o Senhor aparece. O bom Pastor não suporta a perda da sua ovelha, ele que tinha dito a seu Pai: “Não perdi nenhum dos que me deste” (Jo 17,12). Que os pastores aprendam então a solicitude que devem manifestar para com as suas ovelhas, uma vez que o Senhor apareceu por causa de uma só. Toda a solicitude e todo o labor são pouca coisa em comparação com o interesse de uma única alma… Aquele que trouxer uma ovelha errante de volta ao redil ganhou um poderoso advogado junto de Deus.

“Aproxima o teu dedo e vê as minhas mãos, mete a mão no meu lado e não sejas incrédulo mas fiel”. Feliz mão que perscrutou os segredos do coração de Jesus! Que riquezas não terá encontrado! Foi ao repousar sobre esse coração que João penetrou nos mistérios do céu. Penetrando-o, Tomé descobriu nele grandes tesouros. Admirável escola que formou tais discípulos! Graças a ela, o primeiro exprimiu acerca da divindade maravilhas mais altas do que os astros ao dizer: “No princípio era o Verbo e o Verbo estava em Deus e o Verbo era Deus” (Jo 1,1); o outro, tocado pelo raio da Verdade, lançou esse grito sublime: “Meu Senhor e meu Deus!”




Comentários no Facebook:

comments