Orei e foi-me dada a prudência; implorei e veio a mim o espírito de sabedoria.
Preferi-a aos cetros e aos tronos e, em sua comparação, considerei a riqueza como nada.
Não a equiparei à pedra mais preciosa, pois todo o ouro, à vista dela, não passa de um pouco de areia, e, comparada com ela, a prata é considerada como lodo.
Amei-a mais do que a saúde e a beleza e decidi tê-la como luz, porque o seu brilho jamais se extingue.
Com ela me vieram todos os bens e, pelas suas mãos, riquezas inumeráveis.


Livros recomendados

Escola da Fé III: O Sagrado MagistérioO Diabo, Lutero e o ProtestantismoAdeus, Homens de Deus – Como Corromperam a Igreja Católica nos EUA





Comentários no Facebook:

comments