Já na internet: documentos do Vaticano sobre 2ª Guerra Mundial

Por iniciativa da Fundação “Pave The Way”

Por Inma Álvarez

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 25 de março de 2010 (ZENIT.org).- A Santa Sé anunciou hoje a publicação de importantes documentos pontifícios, especialmente os que se referem à 2ª Guerra Mundial, digitalizados e disponíveis na internet.

Estes documentos são as Acta Sanctae Sedis (ASS) e as Acta Apostolicae Sedis (AAS), isto é, as Atas Oficiais da Santa Sé de 1865 a 2007, assim como os 12 volumes da coleção Atos e documentos da Santa Sé relativos ao período da 2ª Guerra Mundial.

“Trata-se de um fundo de documentação de incalculável valor, disponível agora para os especialistas e para todas as pessoas interessadas. Uma grande contribuição para a pesquisa e informação sobre a Santa Sé, sua história e sua atividade”, afirma o comunicado divulgado hoje.

A publicação na internet dos documentos oficiais relativos à 2ª Guerra Mundial, que já existiam em formato impresso desde 1981, foi solicitada pela Pave the Way Foundation (PTWF), que se dedica a trabalhar para “eliminar os obstáculos” que impedem o diálogo entre as religiões.

No último dia 11 de fevereiro, a PTWF agradeceu à Secretaria de Estado e à Livraria Editora Vaticana por sua “confiança em nós, ao permitir-nos este privilégio sem precedentes”.

Em um novo comunicado ao qual a Zenit teve acesso, a PTWF explica que o trabalho de digitalização foi levado a cabo graças a um dos melhores fotógrafos digitais do mundo, o israelense Ardon Bar-Hama.

Bar-Hama é muito conhecido por ter levado a cabo a digitalização dos Manuscritos do Mar Morto e do Codex Vaticanus, entre outros trabalhos.

Gary Krupp, presidente da Fundação, manifesta o orgulho da instituição que representa “por ter ajudado a tornar possível esta importante pesquisa”.

“Até agora, muitas pesquisas realizadas nesta área foram seletivas por natureza. Abrindo estes documentos para seu estudo no mundo inteiro, esperamos levar a luz da verdade sobre este controvertido período.”

Esta instituição trabalhou muitos anos na investigação sobre as atuações do Papa Pio XII com relação aos judeus durante a 2ª Guerra Mundial, já que a imagem desse papado “é um motivo de atritos e incompreensão que afeta mais de 1 bilhão de pessoas no mundo inteiro”.

A coleção Atos e documentos da Santa Sé relativos ao período da 2ª Guerra Mundial consiste em mais de 9 mil páginas que recolhem 5.125 documentos, uma pequena parte da documentação sobre esta época, contida no Arquivo Secreto Vaticano (cerca de 16 milhões de documentos), cuja catalogação ainda não terminou.

Segundo Elliot Hershberg, presidente da Junta da PTWF, “sentíamos que era necessário abrir estes arquivos, os quais certamente não são um substituto da plena abertura dos arquivos dos anos da guerra. No entanto, junto com a ordem do Papa Bento XVI de abrir os Arquivos Secretos até 1939, agora temos um quadro histórico mais claro das ações secretas do Papa Pio XII e da sua postura com relação ao povo judeu, sua aversão a Hitler e seu secreto trabalho para derrotar o regime nazista”.

A coleção está disponível, sem custo algum, no site oficial da Santa Sé (www.vatican.va), no link Acta Santae Sedis (www.vatican.va/archive/actes/index_po.htm).




Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

Papa presidirá Missa no 5º aniversário de falecimento de João Paulo II

Próximo

Só Cristo leva à vida autêntica e plena, recorda o Papa Bento XVI

  1. Balbino Santana More

    É muito importante que tais documentos sejam publicados afim de desmascarar e contradizer os falsos boatos que algumas doutrinas religiosas veem pregando por ai, afim de macular a doutrina cristã católica, e dessa forma desviar e arrebatar alguns fiéis maus informados e fracos na fé. Diga-se de passagem que a igreja tem um pouco de culpa nisso em não procurar com mais fervor, instruir e formar os seus fiéis, limitando-se apenas em que seus fiéis devem praticar mais a sua fé, sem procurar criar mais escolas de fé e deixando até que mudem e tirem o dever de que as "aulas de cristandade devem ser uma obrigação da escola e um direito dos alunos". Digo (a igreja deve ter um representante legal em todos os pleito políticos . Principalmente no Brasil onde os que se dizem evangelicos estão ocupando cargos politicos e procurando sufocar os cristão católicos). {Onde já se viu esse encinamento: Sou evangélico e por isso devo sufocar e exterminar os cristão católicos. [Evangelico= Evangelho do Senhor Jesus Cristo. Cristão= Seguidores de Cristo]}. Incoerencia ou trama diabólica?

  2. Francisco Ney de Alm

    Sou Ministro da Fraternidade(OFS) local de Limoeiro do Norte,Ceará.Concordo com tal documento quando diz que a igreja católica precisa formar mais seus fiéis na prática de sua fé, e uma das escolas muito bem dirigida em sua fé, são as Fraternidades da Ordem Franciscanas,que fundiram também a JUFRA.A Igreja não deve misturarar nossa fé religiosa com Política partidária,e sim nas Fraternidades que estão prescisando de ajuda financeira para fundar nossa JUFRA,por exemplo.Nossa Fraternida tem 93 anos de canonização,e está a beiras da falência,mais também por questões financeiras.

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén